Setor de aço europeu prepara corte de empregos, diz associação a jornal

As empresas de aço europeias terão que fazer um corte substancial de empregos para sustentar seus resultados, refletindo uma queda na demanda e da competição asiática, disse a um jornal alemão o vice-presidente da Associação Mundial de Aço, Wolfgang Eder.

REUTERS

27 de setembro de 2014 | 12h29

"Cortes maciços de empregos são inevitáveis", disse Eder ao jornal semanal Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitung, em um trecho de reportagem que será publicada no domingo, adicionando que a reduções de pessoal foram "dolorosas mas muito atrasadas".

A demanda por aço deve voltar ao crescimento na Europa este ano, apesar da associação do aço europeu Europer, cujos membros incluem ArcelorMittal, ThyssenKrupp e Voestalpine, ter dito que importações de aço mais barato de fora da União Europeia coloca pressão nas margens.

Eder, que também é presidente-executivo da austríaca Voestalpine, alertou que as empresas de aço europeia estão ficando atrás de seus pares na China, Índia e Coreia em termos de tecnologia e inovação, porque não podem pagar para investir.

Executivos das principais empresas de aço devem se encontrar na reunião anual da Associação de 5 a 8 de outubro em Moscou.

(Por Maria Sheahan)

Tudo o que sabemos sobre:
SIDERURGIAEUROPAEMPREGOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.