Setor de seguros cresce 18% e fatura R$ 50,4 bi de janeiro a maio

Segundo dados da Susep, no mercado de automóveis, o maior do mercado brasileiro de seguros, o crescimento foi de 7%, com prêmios de R$ 8,3 bilhões

Altamiro Silva Júnior, da Agência Estado,

30 de junho de 2011 | 12h04

O mercado de seguros, previdência privada e capitalização teve faturamento de R$ 50,4 bilhões de janeiro a maio, alta de 18% ante igual período de 2010, segundo dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep) consolidados pela consultoria Siscorp. Considerando somente o mercado de seguros, os prêmios somaram R$ 41,2 bilhões, aumento de 20%. Os dados excluem o mercado de seguro saúde, que são consolidados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Praticamente todos os segmentos do setor de seguros tiveram expansão nas vendas nos cinco primeiros meses do ano. No mercado de automóveis, o maior do mercado brasileiro de seguros, o crescimento foi de 7%, com prêmios de R$ 8,3 bilhões. Entre outros tipos de apólices, o seguro rural cresceu 30%, transportes de cargas tiveram alta de 13% e os riscos financeiros tiveram prêmios 17% maiores.

Nos seguros para pessoas, os prêmios ficaram em R$ 24,3 bilhões, alta de 24%. Este segmento inclui seguros de vida, planos VGBL (previdência privada) e outras apólices, como as de viagem e turismo, que estão com vendas em alta por conta do aumento de viagens ao exterior.

O lucro consolidado das empresas de seguro, previdência e capitalização somou R$ 4,2 bilhões no período, alta de 13%. Os sinistros pagos pelas seguradoras somaram R$ 10,5 bilhões de janeiro a maio, aumento de 15% ante igual período de 2010.

No ranking das maiores seguradoras, excluindo a área de saúde, o Bradesco aparece na primeira posição, com prêmios de R$ 8,2 bilhões, equivalente a 20% do mercado brasileiro. Em seguida aparecem Itaú Unibanco (17%) e Banco do Brasil (15%). 

Tudo o que sabemos sobre:
seguroANSSusep

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.