Setor industrial leva Wall Street às máximas de 2009

As bolsas de valores norte-americanas subiram nesta terça-feira aos níveis máximos de 2009, depois que dados fortes sobre o setor manufatureiro e vendas no varejo impulsionaram as cotações de commodities e ações de empresas ligadas a matérias-primas.

RODRIGO CAM, REUTERS

15 de setembro de 2009 | 18h30

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 0,59 por cento, para 9.683 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 0,52 por cento, para 2.102 pontos. O Standard & Poor's 500 ganhou 0,31 por cento, para 1.052 pontos.

Os ganhos levaram o S&P 500 acima de 1.050 pontos pela primeira vez desde o início de outubro.

A melhora nas vendas no varejo em agosto renovou a confiança de investidores sobre uma recuperação da demanda. Uma alta no índice de preços ao produtor sinalizou crescimento no consumo de matérias-primas.

Os preços dos metais subiram, com as ações da fabricante de alumínio Alcoa valorizando-se 8 por cento, enquanto os papéis da AK Steel e da US Steel subiram 5,7 por cento e 4,8 por cento, respectivamente.

O indicador Reuters-Jefferies CRB, que mede o comportamento das commodities, teve alta de 2,2 por cento, maior ganho diário em mais de um mês.

A alta nos preços ao produtor e um relatório mostrando avanço mais forte na atividade manufatureira do Estado de Nova York sugeriram que a demanda por matérias-primas está crescendo.

"Para produzir coisas, você precisa de materiais que vêm do solo, ao menos no início da saída da recessão", disse o analista sênior de ações Kim Caughey, da Fort Pitt Capital Group, em Pittsburgh.

Caughey afirmou ainda que comentários por parte do chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, de que a recessão provavelmente acabou favoreceram companhias ligadas a materiais básicos.

Bernanke, falando no aniversário de um ano do colapso do Lehman Brothers, disse que a recessão "muito provavelmente acabou".

Apesar das vendas no segmento varejista terem ficado acima do esperado, ações de empresas do setor foram abaladas por resultados decepcionantes de Best Buy e Kroger.

Os papéis da loja de produtos eletrônicos Best Buy caíram 5,2 por cento, enquanto os da Kroger cederam 7,5 por cento. O índice S&P para o setor varejista teve oscilação negativa de 0,1 por cento.

(Colaborou Ellis Mnyandu)

Tudo o que sabemos sobre:
WALLSTFECHAATUALIZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.