Sharp terá empréstimos de US$ 817 milhões, dizem fontes

A fabricante japonesa de eletrônicos Sharp deve receber empréstimos-ponte no valor de 65 bilhões de ienes (US$ 817 milhões) de seus dois principais credores no final do mês, disseram, nesta sexta-feira, pessoas com conhecimento do assunto. Ao mesmo tempo, a Sharp estaria estudando a venda de um imóvel em Tóquio e de participações em outras empresas.

SERGIO CALDAS, Agencia Estado

17 de agosto de 2012 | 15h17

Além disso, a Sharp deverá se reunir em setembro com o Mizuho Corporate Bank e o Bank of Tokyo-Mitsubishi UFJ para discutir a possibilidade de receber mais empréstimos e revisar os termos das dívidas atuais, segundo as fontes. Cada uma das instituições tem mais de 110 bilhões de ienes a receber da Sharp.

Os empréstimos e a possível venda de ativos surgem como alternativas para a Sharp saldar a parte que está para vencer de suas dívidas, que totalizam 1,25 trilhão de ienes. A empresa prevê que terá um prejuízo líquido de 250 bilhões de ienes neste ano fiscal diante das projeções desfavoráveis para seus principais negócios, os de telas de cristal líquido e aparelhos de TV.

As discussões da Sharp com seus credores esbarram nas incertezas em relação à entrada da Foxconn na empresa. Em março, o grupo taiwanês concordou em assumir uma participação de 9,9% na Sharp, ao preço de 550 ienes por ação. Os papéis da Sharp, no entanto, despencaram desde então em meio às preocupações que rondam a empresa. Recentemente, a Foxconn disse não ter mais a obrigação de cumprir os termos do contrato, mas a Sharp alega que não houve mudanças no acordo.

Os credores da Sharp podem revisar as condições de seus empréstimos dependendo do resultado do acordo com a Foxconn, afirmaram as fontes. Nesta sexta-feira, as ações da Sharp fecharam com forte queda, de 5%, a 184 ienes, na Bolsa de Tóquio. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Sharpempréstimos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.