Shell fecha unidade na Nigéria, mas nega vazamento

A empresa Shell informou nesta quinta-feira que fechou uma unidade de processamento de petróleo no sul da Nigéria devido a uma falha no bombeamento, mas negou relatos de que uma quantidade significativa de óleo tenha vazado na área.

CADU CALDAS, ESPECIAL PARA A AE, Agencia Estado

16 de agosto de 2012 | 16h25

A plataforma na área de Nembe Creek, no Estado de Bayelsa, foi fechada na quarta-feira, afirmou a companhia anglo-holandesa. A Shell disse que "um pouco de petróleo escapou do poço, com uma mancha observada na área. A bomba foi reparada".

A organização não governamental Environmental Rights Action enviou uma equipe para visitar o local na quarta-feira e relatou que estava ocorrendo um derramamento de petróleo. O líder do grupo, Nnimmo Bassey, descreveu o vazamento como extenso. "É vergonhoso que a Shell tente esconder o que até os cegos podem ver", afirmou em uma entrevista para a agência AFP. "O derramamento é extenso e muito visível nas águas do Rio Brass e está fluindo para o Oceano Atlântico", acrescentou.

A região do Delta do Rio Níger tem sofrido com a poluição por décadas devido a uma série de vazamentos de petróleo, incluindo aqueles causados por sabotagens de ladrões e militantes, assim como falhas operacionais ou de manutenção por parte das companhias. Ativistas dizem que empresas como a Shell, maior produtora da Nigéria, não fazem o suficiente para evitar vazamentos.

A Nigéria é a maior produtora de petróleo da África. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
vazamentopetróleoShellNigéria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.