Siderúrgicas chinesas adiam recebimento de minério de ferro

Siderúrgicas chinesas, pressionadas pela fraca demanda do país por aço, descumpriram contratos de fornecimento ou adiaram recebimento de cargas de até 4 milhões de toneladas de minério de ferro neste mês, após a rápida queda nos preços da commodity, afirmaram operadores.

Reuters

22 de agosto de 2012 | 09h03

A onda de novos descumprimentos e adiamentos, a segunda deste ano, acontece após uma queda de 23 por cento nos preços do minério de ferro até agora no ano. A commodity tem sido a mais afetada à medida que o crescimento econômico na principal compradora, a China, desacelera.

"Em termos de descumprimentos e adiamentos, estamos falando de 3 milhões a 4 milhões de toneladas até agora neste mês", afirmou um operador de mercado físico em Cingapura. Ele comentou ainda que os compradores chineses ou cancelaram ou adiaram recebimento de entregas.

"Há um movimento coordenado de descumprimento de contratos de longo prazo o que explica porque as mineradoras estão registrando tanta atividade no mercado à vista diariamente", disse um trader em Hong Kong, que estima que o volume de não cumprimento de acordos alcançou 2 milhões a 3 milhões de toneladas.

O minério de fero com conteúdo de 62 por cento de ferro caiu 2,7 por cento na terça-feira, para 106,4 dólares a tonelada, o nível mais fraco desde 16 de dezembro de 2009.

Produtores de ação sempre ficam tentados a cancelar recebimentos contratados quando há uma queda sustentável no mercado de minério de ferro à vista, que torna as taxas de contratos --geralmente baseadas na média dos contratos à vista para o mês em questão-- mais caras.

"Reduzimos embarques de mineradoras este ano e compramos principalmente minério doméstico no primeiro semestre pois os preços estão caindo muito rapidamente", disse um representante de uma siderúrgica de médio porte que tem contratos de fornecimento com a Vale e Rio Tinto.

(Por Manolo Serapio Jr. e Ruby Lian)

Tudo o que sabemos sobre:
SIDERURGIACHINACALOTES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.