Werther Santana/Estadão - 20/10/2020
Werther Santana/Estadão - 20/10/2020

Sidnei Piva é afastado do comando da Itapemirim pela Justiça e terá de usar tornozeleira eletrônica

Empresário também precisará entregar o passaporte às autoridades

André Jankavski, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2022 | 18h49

Seis anos após comprar o grupo de transporte rodoviário Itapemirim por R$ 1, que viria a ter também a companhia aérea ITA entre os negócios, o empresário Sidnei Piva foi afastado do comando da empresa pela Justiça. A decisão da juíza Luciana Menezes Scorza, publicada no dia 18 de fevereiro, ainda determinou que o empresário entregasse o seu passaporte às autoridades nas próximas 24 horas e utilizasse tornozeleira eletrônica.

De acordo com a juíza, a decisão ocorreu após analisar a representação criminal apresentada por Camilo Cola Filho, filho do ex-controlador da Itapemirim que alegou condutas ilícitas de Piva e também de Camila de Souza Valdívia, quando assumiram o controle do grupo no fim de 2016, época em que a companhia entrou em recuperação judicial, e que houve desvios milionários na empresa desde então. 

O Ministério Público já havia instaurado um Procedimento Investigatório Criminal e solicitado a prisão de Piva. "A despeito da gravidade concreta dos fatos narrados acima, demonstrados pela robusta prova documental acostados aos autos, ressalto ser o encarceramento provisório medida excepcional quando decretada sem acusação formulada, havendo diversas providências a serem tomadas ainda pendentes, como se vê da manifestação do Ministério Público", determinou a juíza. 

Em dezembro, o Grupo Itapemirim suspendeu as operações da companhia aérea ITA para uma reestruturação de uma hora para a outra, surpreendendo inclusive a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A companhia não voltou e nem deve voltar as operações, pois em janeiro os aviões da companhia começaram a ser devolvidos. 

Piva trava uma briga na Justiça com a família que controlava o grupo Itapemirim antes dele. Segundo Andreia Cola, neta do fundador da companhia, Camilo Cola, o acordo firmado com Piva quando ele assumiu a companhia, em 2016, previa que o patrimônio da família não entraria no negócio. Piva, porém, conseguiu na Justiça ficar com os bens dos Cola.

Procurada, a assessoria de imprensa de Piva e da Itapemirim não foram encontradas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.