Lukas Barth/Reuters
Lukas Barth/Reuters

Siemens anuncia investimento de R$ 4 bi no Brasil nos próximos cinco anos

Presidente da Siemens no Brasil, André Clark, anunciou que companhia alemã vai triplicar seus investimentos no País

Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

13 Março 2018 | 20h25

O presidente da Siemens no Brasil, André Clark, anunciou que o conglomerado alemão triplicará seus investimentos no Brasil para cerca de R$ 4 bilhões (1 bilhão de euros) nos próximos cinco anos. O executivo fez o anúncio durante cerimônia de assinatura de um acordo de entendimento entre a empresa e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex Brasil) na sede da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

O evento foi acompanhado pelo presidente da República, Michel Temer, que antes havia falado por 52 minutos na Cerimônia de Abertura da Plenária da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo. O acordo de entendimento assinado entre a Siemens e a ApexBrasil coloca a agência brasileira como um facilitador dos investimentos da empresa germânica no Brasil. Será o ponto contato do conglomerado alemão com todos os grandes setores produtivos no Brasil.

+ Telefônica Brasil anuncia investimentos totais de R$26,5 bi até 2020

Clark disse ainda acreditar que a Siemens e suas coligadas em todo o mundo poderão trazer para o Brasil algo como 50 bilhões de euros. Hoje os investimentos da Siemens no Brasil remontam 6 bilhões de euros. O executivo disse também que o investimento de 1 bilhão de euros previstos para os próximos cinco anos será endereçado para três áreas: gargalos na infraestrutura, em especial em projetos de energia elétrica, compartilhamento de conhecimentos e parcerias com universidades.

+ No 4ºtri, BR Distribuidora tem lucro dez vezes maior que no mesmo período de 2016

"É importante dividirmos esse conhecimento com os jovens", disse acrescentando que não há motivos para o Brasil ter o mesmo crescimento da China e da índia. De acordo o presidente da Siemens, hoje o Brasil cresce à razão de 2,5%, mas que esse número pode ser invertido para 5,2%. "É isso que o Brasil merece e nós vamos ajudar nisso", disse Clark.

Mais conteúdo sobre:
Siemensinvestimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.