Paulo Vitor/Estadão
Paulo Vitor/Estadão

Sobre compra da Oi, dona da Claro diz estar 'aberta a possibilidades'

América Móvil pode adquirir ativos da tele, que hoje está em recuperação judicial

Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2016 | 17h26

RIO - A América Móvil - companhia mexicana dona da Claro, Net e Embratel - informou estar "aberta a avaliar todas as possibilidades", após ser questionada sobre a possibilidade de comprar a concorrente Oi, tele brasileira em processo de recuperação judicial. O esclarecimento foi feito após reportagem do jornal Valor desta quarta-feria, 21, informar que o grupo mexicano tem interesse em comprar a Oi, seja como um negócio total ou em partes.

"A América Móvil está aberta a avaliar todas as possibilidades, mas o que disse Daniel Hajj (CEO da companhia) é que quando soubermos o que será vendido e quais são as condições, o caso será avaliado", informou em nota.

A reportagem do Valor informa que a transação vai depender dos detalhes que a Oi informará para a venda de seus ativos, do que a regulamentação brasileira vai permitir e do preço. As declarações foram feitas ao jornal pelo CEO durante evento no México.

A Oi entregou à Justiça no dia 5 de setembro o seu plano de recuperação judicial, que traz a possibilidade de venda de ativos como forma de levantar recursos, entre eles as operações de telefonia móvel. No entanto, não há detalhes sobre preço e nem condições dessa venda. Fonte da Pharol (antiga Portugal Telecom, principal acionista individual da Oi) informou que a empresa poderia vender parte das operações móveis, referentes a uma localidade, por exemplo.

O plano aponta ainda que a empresa poderá promover a alienação de outros bens, como participações em operadoras de telecomunicações na África e na Ásia, operações de datacenters, além da rede de fibra ótica no Estado de São Paulo. Também aparecem na lista de alienação de ativos Itens de infraestrutura (como torres); a Brasil Telecom Call Center; a Serede - Serviços de Rede; e imóveis. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.