Soja: Brasil e China reexaminam regra para hexano em 60 dias

Brasília, 9 - O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, disse hoje que o governo da China concordou em reavaliar regra que determina o limite máximo de 100 partes por milhão (PPM) do solvente hexano por tonelada de óleo bruto de soja importado do Brasil. A informação foi dada pelo ministro da Administração Geral da Supervisão e da Qualidade, Inspeção e Quarentena da China, Li Chiangjiang. Rodrigues contou que o governo chinês aceitou criar um grupo de trabalho, com representantes dos dois países, para analisar o assunto. A adoção desse nível de hexano levou a iniciativa privada do Brasil a dizer que a regra era impraticável, pois o teor usual é de 600 PPMs. De acordo com o ministro, a China está resistente em mudar o nível fixado pela resolução 1535, mas admitiu criar o grupo de trabalho que vai analisar o assunto. "Até que esse grupo de trabalho conclua as discussões, a regra não vai vigorar", afirmou Rodrigues. Ele estimou que as discussões vão se prorrogar por um período de 60 dias. "Por esse período eles manterão a exigência do nível de hexano, mas não colocarão em prática", disse. O ministro tem esperanças de que, após os 60 dias, o governo chinês volte atrás a respeito da resolução 1535.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.