Soja: óleo subiu 7,5% durante a semana passada na Bolsa de Chicago

Os contratos futuros do óleo de soja acumularam alta de 7,5% durante a semana passada na Bolsa de Chicago (CBOT), um período de forte volatilidade "climática" para os futuros. O grão também acumulou ganhos, mas o farelo perdeu valor na virada do mês. O óleo para setembro e outubro ganhou 183 pontos na semana, sustentado pela suspeita de que o frio atípico deste verão nos Estados Unidos vai reduzir o teor do produto na safra nova. A firmeza dos preços do óleo contribuiu, em alguns momentos, para sustentar também o grão e o farelo. O grão para setembro acumulou ganho de 14,25 cents (+2,37%) na semana, e o novembro subiu 16,50 cents (+2,76%). O farelo para setembro caiu US$ 5,10 (-2,84%) e o outubro, US$ 2,60 (-1,49%). A semana passada abriu muito firme em Chicago, com previsão de frio intenso e geadas ao norte do Meio-Oeste dos EUA. No final da tarde de segunda-feira o Departamento de Agricultura (USDA) informou nova deterioração na qualidade da safra, tanto por frio quanto por seca (no sul). As sessões de terça e quarta foram muito semelhantes, com tentativa de baixa e pressão sobre os preços, mas fechamento em alta, determinado pelas incertezas em relação ao clima. Diferentes institutos e métodos de meteorologia divergiam sobre o risco climático, e o mercado afinal manteve o prêmio sobre os preços com base na indefinição. Na quinta-feira, a meteorologia enfim convergiu sobre as previsões, indicando menor ameaça às lavouras pelo frio, e os futuros caíram pela primeira vez na semana, deprimidos também por fatores técnicos. (segue)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.