Soja: pesquisa para combate à ferrugem receberá mais R$ 1,5 milhão

Brasília, 4 - As pesquisas para combate à ferrugem da soja terão reforço orçamentário de R$ 1,5 milhão, prevê projeto aprovado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), o Instituto Agronômico de Ultramar (IAO) do Ministério das Relações Exteriores da Itália, e a Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco (Facepe). O projeto foi apresentado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). A ferrugem da soja provocou perdas de cerca de 4,5 milhões de toneladas na safra 2003/2004, segundo dados da Embrapa Soja. Associados a essas perdas, o que deixou de ser colhido e os gastos com controle químico somaram US$ 2 bilhões. Antes da safra, foi detectado o surgimento de uma nova raça do fungo P.pachyrhizi, causador da ferrugem, o que provocou quebra de fontes de resistência. Isso inviabilizou o desenvolvimento de cultivares resistentes à ferrugem. Outro problema foi a presença contínua desse fungo na entressafra em lavouras de inverno nos Cerrados. A Finep aprovou outros três projetos desenvolvidos pela Embrapa, informou a assessoria de imprensa do Ministério da Agricultura. Dois dos projetos aprovados pela Finep estão voltados à sanidade animal, especificamente à prevenção da Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), a doença da "vaca louca", e da influenza aviária. Mesmo sem haver registro no Brasil, as doenças preocupam o mundo e podem ameaçar o agronegócio. Não há registro das duas doenças no Brasil e a proposta da pesquisa é evitar a ocorrência. Serão destinados R$ 3 milhões aos projetos - R$ 1,5 milhão para cada um, com duração de três anos. O quarto projeto aprovado pela Finep, também com um orçamento de R$ 1,5 milhão, auxiliará as ações de transferência de tecnologia voltadas à integração entre lavouras e pecuária na região de Cerrado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.