Soja/Cenário: CBOT abriu semana com forte alta; fundos compraram

São Paulo, 24 - Os futuros do complexo soja fecharam em forte alta ontem na Bolsa de Chicago (CBOT), com intenso movimento de compras especulativas registrado já na abertura da sessão. Todos os vencimentos do grão superaram e avançaram sobre o patamar psicológico de US$ 6,00/bushel. O rally se instalou logo nos primeiros minutos de pregão, e os ganhos foram sendo sustentados durante todo o dia. Rumores sobre efeitos moderados do frio ao norte do Meio-Oeste dos Estados Unidos contribuíram para manter o entusiasmo altista, segundo traders. No fechamento as corretoras disseram haver comprado entre 8 mil e 10 mil contratos do grão. Na abertura os fundos estavam vendidos em 23 mil contratos nos futuros, e em 13 mil contratos nas opções. Compras técnicas foram acionadas automaticamente quanto os preços ultrapassaram, sucessivamente, US$ 5,90 e US$ 5,95/bushel. O movimento positivo pode continuar na CBOT, a partir do clima incerto nos EUA, segundo o economista senior da Doane Agricultura Services em St. Louis, Steve Nicholson. "O mercado ficou excitado com o frio em Minnesota. Daí o movimento tão rápido de alta", disse, explicando que as coberturas de posições vendidas dos fundos multiplicaram os efeitos altistas do clima frio nos EUA durante o final de semana. Algumas lavouras receberam geada no período. Em áreas de Minnesota o frio atípico está acelerando o processo de amarelecimento das folhas, com potencial prejuízo de produtividade. O farelo e o óleo também marcaram sólidos ganhos no dia, em linha com o grão. É crescente a preocupação com o eventual baixo rendimento de óleo este ano nos EUA, por conta da perda de produtividade que o frio pode causar. Confira o fechamento da CBOT: --------------------------------------------------------GRÃO (US$/bushel) FARELO (US$/t) ÓLEO (cents/libra)--------------------------------------------------------Variação cents US$ pontos--------------------------------------------------------Set. 6,2300 +28,25 Set. 204,70 +4,70 Set. 24,52 +97Nov. 6,1100 +26,00 Out. 185,00 +8,40 Out. 24,01 +99Jan. 6,1700 +25,25 Dez. 183,40 +8,70 Dez. 23,51 +85Mar. 6,2175 +24,25 Jan. 184,60 +8,10 Jan. 23,30 +73Mai. 6,2200 +19,25 Mar. 187,60 +8,10 Mar. 23,20 +72Jul. 6,2500 +18,00 Mai. 189,20 +8,90 Mai. 22,97 +60-------------------------------------------------------- (João Baumer, segue) Ontem, após o fechamento do pregão na CBOT, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) informou novo declínio da qualidade da safra americana. O recuo foi de 2 pontos percentuais sobre o número da semana anterior, que já havia marcado queda de 4 pontos percentuais. Ainda assim, a proporção de 67% de plantações em bom estado de desenvolvimento sinaliza uma boa safra nos EUA, maior que a do ano passado. Corretores e analistas aqui do Brasil disseram ontem que o número informado pelo USDA deve manter os preços firmes em Chicago hoje, ou pelo menos evitar baixa significativa. A expectativa é de que o patamar de US$ 6,00/bushel seja mantido. O USDA também informou ontem que 91% das lavouras dos EUA tinham formado vagens, até o domingo 22, contra 87% na mesma data de 2003 e 90% na média de cinco anos para o período. Confira a evolução das lavouras americanas, conforme o acompanhamento semanal do USDA: ===============================================================CONDIÇÕES DATADA SAFRA 11/07 18/07 25/07 01/08 08/08 15/08 22/08---------------------------------------------------------------Excelentes 15% 16% 18% 20% 20% 19% 17%Boas 53% 52% 51% 50% 53% 50% 50%Adequadas 24% 24% 23% 22% 20% 23% 24%Precárias 6% 6% 6% 6% 5% 6% 7%Muito precárias 2% 2% 2% 2% 2% 2% 2%=============================================================== (João Baumer, segue) O mercado interno de soja reagiu ontem ao rally dos futuros em Chicago, e indicou preços mais altos em todas as praças. Mas a valorização ainda não atrai vos vendedores. "A impressão que se tem é de que mesmo que Chicago recue, os preços internos não devem cair, porque o mercado está comprador", resumiu um corretor. Ontem o dólar fechou quase estável a R$ 2,9640 (-0,07%). Nas praças do Sul do Brasil as indicações de compra ficaram entre R$ 40,00 e R$ 41,00/saca FOB. Em Mato Grosso o dia terminou com preços a R$ 33,50/saca no disponível de Lucas do Rio Verde e R$ 36,50 em Rondonópolis. No mercado transferido de Paranaguá havia comprador entre R$ 43,00 e R$ 43,50/saca, com pequeno volume negociado no dia. A paridade de exportação no porto ficou ontem em US$ 14,75/saca, considerando prêmio de +60 no setembro. O mercado de prêmios teria negociado ontem 20 mil toneladas de farelo a -38 no setembro, e 5 mil toneladas a -39 também no setembro. A retração também é notável na negociação antecipada da safra nova (2004/05). A consultoria Céleres informou ontem que até o dia 20 apenas 4% da safra nova havia sido negociada, contra 21% na mesma data de 2003 e 17% na média de cinco anos para o período. O mercado registra o desinteresse, com diversas praças ainda sem idéia de preço para a soja nova. Nos portos a idéia de compra para abril e maio prevê deságio de 35 cents sobre o contrato de maio na CBOT. Também há indicação de compra para abril e maio entre US$ 12,00 e US$ 12,50/saca em Rio Grande, quando a intenção do vendedor é US$ 12,00/saca FOB interior. "Alguns negócios estão sendo feitos com a safra nova, mas com preços a fixar", disse corretor gaúcho. Em Rondonópolis há indicação de compra a US$ 9,50/saca para março, sem vendedor. Confira a evolução dos preços nas principais praças brasileiras, conforme apuração do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da USP (Cepea): ===========================================PRAÇA Preço (R$/saca) Variação===========================================20/ago 23/ago (%)-------------------------------------------Oeste PR 39,25 39,95 1,78Norte PR 38,88 39,90 2,62Ijuí 39,75 39,83 0,20Sorriso 32,25 32,07 -0,56Mogiana 37,00 37,00 0,00Passo Fundo 39,56 39,80 0,61Ponta Grossa 38,13 39,56 3,75Rondonópolis 34,57 35,52 2,75Rio Verde 33,00 34,50 4,55Triângulo MG 35,00 35,67 1,91Barreiras 31,25 31,70 1,44=========================================== (João Baumer, fim)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.