Soja/EUA: pesquisa mostra mais óleo e menos proteína no grão

São Paulo, 29 - Amostras da safra recorde de soja dos EUA em 2004 apontaram menor teor de proteína mas um conteúdo ligeiramente acima do normal de óleo. Este é o resultado da pesquisa realizada pelo Laboratório de Qualidade de Grãos, da Universidade de Iowa, a pedido da Bolsa e Associação Americana de Soja. Por meio de testes realizados em 1.319 amostras enviadas por produtores de 29 áreas diferentes, a universidade afirma que os grãos deverão ter 35,16% de proteína e 18,7% de óleo vegetal. O conteúdo de proteína é 0,25 ponto percentual menor que no ano anterior e 0,09 ponto percentual maior, na comparação com a média no longo prazo. Por isso, um bushel de soja da safra de 2004, com umidade de 13%, irá produzir em média 43 libras-peso de farelo com 48% de proteína e 10,9 libras-peso de óleo vegetal. A produtividade e a produção total são as maiores já registradas devido às boas condições para o desenvolvimento da lavoura e ao aumento de 2% na área colhida. Os autores da pesquisa notaram que praticamente todas as áreas produtoras tiveram condições climáticas em 2004, com exceção de Minnesota, Dakotas e norte de Iowa, que foram afetadas por geadas no meio de agosto. Mas o impacto sobre as plantas foi pequeno. As amostras de Nova York revelaram o melhor conteúdo de proteína em 2004 com 39,2% e o menor de óleo com 16,65%. O Tennessee teve o melhor conteúdo de óleo, a 20,135% e os grãos com menos proteína foram encontrados na Dakota do Sul. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.