‘Solução para Europa não será rápida’, diz Fitch

 "Não há solução rápida, não importa o que seja decidido no encontro desta quarta-feira", disse hoje Tony Stringer, presidente globalda agência de classificação de riscos

Agência Estado,

24 de outubro de 2011 | 22h39

A agência de classificação de risco Fitch Ratings não vê uma rápida solução para a crise da zona do euro após a reunião crucial entre líderes europeus em Bruxelas nesta quarta-feira, em meio a sinais preocupantes de que a Europa enfrentará uma recessão neste inverno. "Não há solução rápida, não importa o que seja decidido no encontro desta quarta-feira", disse hoje Tony Stringer, presidente global de ratings soberanos da Fitch, por meio de teleconferência.

Os líderes europeus consideram um plano para fazer com que o fundo de resgate da zona do euro, de € 440 bilhões, seja ampliado usando a alavancagem para lidar efetivamente com a crise. A Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês) incluiria um plano de seguro que prevê o acesso ao fundo para compensar as perdas sofridas pela compras de títulos da dívida de países enfraquecidos, como a Itália.

Stringer disse que considera a Grécia insolvente e que o default é inevitável para o país, com a perspectiva preocupante para Espanha e Itália. Sobre a Ásia, a agência espera um crescimento forte na região em 2012, mas se preocupa com o estado atual do sistema bancário da China. Para ele, a chance de uma crise bancária no país nos próximos anos é de 50%.

As informações são da Dow Jones. (Paula Moura)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.