Sony planeja cortar 1 mil vagas na divisão de celulares

Demissões representam quase 15% do quadro de funcionários da empresa

Sérgio Caldas, da Agência Estado,

23 de agosto de 2012 | 10h09

A Sony anunciou nesta quinta-feira que planeja reduzir o quadro de funcionários do seu negócio de celulares em quase 15%, o que representa a eliminação de 1 mil empregos, com o objetivo de reduzir custos e acelerar sua estratégia para o crescente mercado de smartphones. Hoje, a Sony controla 100% do negócio, antes dividido com a sueca Ericsson.

Pela reestruturação, a sede do negócio será transferida de Lund, na Suécia, para Tóquio, onde ficam os escritórios da ex-joint venture. Como parte da mudança, a Sony disse que pretende cortar aproximadamente 650 empregos e demitir 350 consultores na Suécia.

Os cortes serão feitos ao longo dos dois próximos anos fiscais, até março de 2014. A Sony ainda avalia o impacto financeiro das demissões no seu resultado.

No trimestre fiscal até junho, o primeiro em que o negócio de celulares já era totalmente controlado pela Sony, a divisão de produtos móveis teve um prejuízo líquido de 28,1 bilhões de ienes, ou US$ 357 milhões. A empresa, por outro lado, elevou sua projeção de embarques de smartphones em quase 2%, para 34 milhões de unidades, no ano até março de 2013.

Segundo a Strategy Analytics, a Sony detinha uma parcela de aproximadamente 4% do mercado global de smartphones no primeiro trimestre de 2012, ante 31% da Samsung e 24% da Apple. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
sonydemissõscelulares

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.