'SP pode ser o segundo Estado produtor de petróleo até 2020'

Com exploração do pré-sal, produção paulista deve ultrapassar a do Espírito Santo, ficando atrás apenas do Rio

Leonardo Goy, de O Estado de S. Paulo,

15 de outubro de 2009 | 07h42

    

 

BRASÍLIA - Hoje ocupando a lanterna da lista dos dez Estados onde a Petrobrás produz petróleo, São Paulo pode passar para a vice-liderança até 2020 com a futura exploração do pré-sal, atrás apenas do Rio de Janeiro. A previsão foi feita pelo presidente da empresa, José Sérgio Gabrielli em entrevista à Agência Estado.

 

Veja também:

link 'Investidores privados vão entrar pesado na Petrobrás'

linkPoço descoberto pela OGX pode ter 1,5 bi de barris

Em agosto, a produção de petróleo (sem contar o gás natural) da Petrobrás em São Paulo foi, em média, de 527 barris por dia. No mesmo mês, o Rio de Janeiro teve uma produção média diária de 1,6 milhão de barris. Em segundo lugar, o Espírito Santo teve uma produção média de 90,4 mil barris diários. Gabrielli não estimou, porém, qual deverá ser o nível da produção paulista em 2020.

Um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores, Gabrielli descarta a possibilidade de concorrer a algum mandato nas eleições do ano que vem e diz que, ao fim do governo Lula, voltará a dar aulas na Universidade Federal da Bahia.

A seguir, os principais trechos da entrevista:

São Paulo hoje não tem um papel importante na produção e exploração de petróleo. Mas isso deve mudar com o pré-sal da Bacia de Santos. Como será a relação da Petrobrás com São Paulo daqui para a frente?

Com certeza a relação São Paulo-Petrobrás vai ter de ser alterada. A Bacia de Santos é, sem dúvida nenhuma, extremamente prolífica. É diversificada, tem situação de pré e de pós-sal. Tem possibilidades em águas rasas e profundas, tem gás. E a maior parte dessa Bacia está em São Paulo. A infraestrutura, o número de funcionários em São Paulo vai crescer, mas não sei dizer quanto. A relação operacional vai crescer. Nós estamos fazendo uma gigantesca unidade de tratamento de gás em Caraguatatuba (litoral norte paulista).

O aumento da produção vai ter impactos na receita de São Paulo, com royalties e participações especiais, que hoje são pequenos para o Estado. São Paulo pode passar o Espírito Santo e assumir a segunda posição na produção de petróleo da Petrobrás?

Pode. Acho que depende do horizonte de tempo. Até 2012, 2013, não. Mas até 2020 São Paulo terá uma grande produção e pode superar o Espírito Santo. Pode ser o segundo. A produção dos campos de São Paulo vai crescer. Depende da velocidade da produção.

Quais são os planos do sr. para depois do governo Lula?

Eu sou professor licenciado da Universidade Federal da Bahia. Se o meu departamento me aceitar, estarei de volta. Não serei candidato, está descartado.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.