Gene J. Puskar/AP
Gene J. Puskar/AP

Starbucks decide encerrar atividades das lojas La Boulange

Três anos após comprar a rede de confeitarias, o grupo anunciou que focará na expansão dos produtos nos estabelecimentos com bandeira Starbucks

O Estado de S. Paulo

17 de junho de 2015 | 14h02

SEATTLE - Três anos após comprar a rede de confeitarias La Boulange, fundada por Pascal Rigo em 1996, em São Francisco, nos Estados Unidos, com inspiração francesa, a Starbucks anunciou que fechará as 23 lojas e duas unidades de produção de alimentos da marca até o fim de setembro. A empresa focará na expansão destes produtos nos estabelecimentos com bandeira Starbucks. 

A La Boulange foi fundamental para o crescimento da Starbucks no segmento de alimentos. O negócio foi realizado em 2012, quando a rede americana de cafeterias adquiriu a Bay Bread, detentora da La Boulange, por US$ 100 milhões. O objetivo era melhorar o menu de produtos das lojas Starbucks, após queixas de consumidores sobre a falta de qualidade dos alimentos. 

Desde então, a Starbucks passou a substituir salgados e doces por produtos La Boulange, que vinham embalados no tradicional papel rosa da marca. A empresa também incluiu sanduíches no cardápio, a fim de reforçar o movimento em horário de almoço. No último trimestre, encerrado em 29 de março, as vendas de alimentos da Starbucks cresceram 16% em relação ao período anterior, enquanto a comercialização de sanduíches aumentou 35%. 

Na época da aquisição, a Starbucks afirmou que pretendia abrir mais lojas La Boulange. Contudo, um relatório recente encomendado pela empresa revelou que a marca de confeitarias não contribuiria, no longo prazo, para os negócios Starbucks. Algumas lojas vinham apresentando resultados insatisfatórios mas, segundo Cliff Burrows, presidente do grupo para os Estados Unidos, a principal razão da decisão foi a proposta de focar na marca Starbucks. 

A empresa tem investido em empresas de alimentos, na tentativa de se tornar mais que uma rede de cafeterias. Em dezembro, anunciou que espera dobrar sua receita anual com alimentos nos Estados Unidos e alcançar US$ 4 bilhões nos próximos cinco anos. Não foi a primeira vez que a Starbucks adquiriu uma marca apenas para integrá-la a seus negócios. As lojas da Seattle's Best Coffee, comprada em 2003, também foram fechadas tempos depois. As atividades da loja de sucos da marca Evolution Fresch (adquirida em 2011) em São Francisco também devem ser encerradas em breve, por causa de resultados abaixo do esperado. Outras três lojas da marca no Estado de Washington permanecerão abertas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.