Strauss-Kahn afirma em carta que acusações são ‘pesadelo pessoal’

Ex-diretor-gerente do FMI se diz inocente em email enviado a funcionários do Fundo ao redor do mundo 

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

23 de maio de 2011 | 13h28

O ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, disse a colegas que as acusações de agressão sexual contra ele são "um pesadelo pessoal" e insistiu que ele será inocentado.

Num email datado em 22 de maio e enviado a funcionários do Fundo Monetário Internacional (FMI) ao redor do mundo, cuja cópia foi obtida pela agência de notícias France Presse, Strauss-Kahn expressou "profunda tristeza e frustração" por ter sido obrigado a renunciar a sua posição na instituição para enfrentar as acusações.

"Eu nego veementemente as possíveis alegações que eu enfrento agora; estou confiante de que a verdade vai aparecer e eu serei inocentado", escreveu Strauss-Kahn. "Entretanto, não posso aceitar que o Fundo e vocês, queridos colegas, tenham, alguma forma, que partilhar o meu pesadelo pessoal. Então, eu tive de ir."

Strauss-Kahn foi preso no dia 14 de maio no Aeroporto John F. Kennedy International, em Nova York, após uma camareira do luxuoso hotel Sofitel, localizado na Times Square, acusar o político francês de tê-la atacado e tentado violentá-la algumas horas antes.

Strauss-Kahn, que foi libertado após pagar fiança da prisão de Rikers Island na sexta-feira, está sob prisão domiciliar em um apartamento em Manhattan. Ele está hospedado com sua esposa, a jornalista francesa nascida nos EUA, Anne Sinclair.

O FMI deverá começar a aceitar candidaturas para a substituição de Strauss-Kahn nesta segunda-feira. O Fundo disse na sexta-feira que pretende concluir o processo de seleção até 30 de junho. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FMIStrauss-Kahnprisãoacusações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.