Mike Segar/ Reuters
Mike Segar/ Reuters

Strauss-Kahn renuncia ao cargo de diretor-gerente do FMI

Em um comunicado do FMI, Kahn afirmou que está deixando o posto 'para proteger a instituição'; ele está preso desde sábado acusado da tentativa de estupro a uma camareira

Agência Estado,

19 de maio de 2011 | 02h08

O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, que revitalizou a instituição em um momento importante, renunciou ao cargo em consequência das acusações de abuso sexual que sofreu em Nova York. Em um comunicado divulgado pelo FMI na madrugada desta quinta-feira, Strauss-Kahn afirmou que está deixando o posto "para proteger a instituição".

Em uma carta para o conselho diretor do FMI, Strauss-Kahn continuou negando que tenha cometido qualquer crime. "Eu gostaria de dizer que eu nego com a maior firmeza possível todas as acusações que foram feitas contra mim", escreveu. "Eu quero devotar toda a minha força, todo o meu tempo e toda a minha energia para provar a minha inocência", acrescentou.

O comunicado divulgado pelo FMI informou que o fundo vai em breve estabelecer um processo para selecionar um novo diretor-gerente. Enquanto isso não acontece, o número dois da instituição, John Lipsky, permanece no comando.

O FMI vai comunicar no futuro próximo o processo do Conselho Executivo para a seleção de um novo diretor-gerente. Enquanto isso, o senhor John Lipsky permanece como diretor-gerente interino. As informações são da Dow Jones.

Veja a íntegra da carta de renúncia de Dominique Strauss-Kahn:

Senhoras e senhores do Conselho:

É com infinita tristeza que me sinto obrigado hoje a apresentar ao Conselho Executivo minha renúncia do cargo de diretor-gerente do FMI.

Nesta hora eu penso primeiro em minha esposa - a quem amo mais do que tudo -, nos meus filhos, na minha família e em meus amigos.

Eu penso também nos meus colegas do fundo. Juntos conquistamos coisas muito importantes nos período de mais de três anos.

A todos, eu quero dizer que nego com a maior firmeza possível todas as acusações que foram feitas contra mim.

Eu quero proteger esta instituição à qual servi com honra e devoção e especialmente - especialmente - quero dedicar toda a minha força, todo o meu tempo e toda a minha energia a provar minha inocência.

Dominique Strauss-Kahn

(Texto atualizado às 12h00)

Tudo o que sabemos sobre:
Strauss-KahnFMIrenúncia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.