Ivan Heyn/AP
Ivan Heyn/AP

Subsecretário da Argentina morre em aparente suicídio

Iván Heyn tinha 33 anos e ocupava o cargo de subsecretário de Comércio Exterior há apenas alguns dias

Marina Guimarães, enviada especial da Agência Estado,

20 de dezembro de 2011 | 18h44

MONTEVIDÉO - O corpo do subsecretário de Comércio Exterior da Argentina, o economista Iván Heyn, foi encontrado, nesta terça-feira, em seu quarto do hotel onde a delegação argentina costuma se hospedar em Montevidéu, Uruguai. Heyn, de 33 anos, participava das negociações da Cúpula do Mercosul, que começaram na capital uruguaia na última quinta-feira. Ele estava estreando no cargo para o qual foi nomeado há 10 dias, na recém-criada Secretaria de Comércio Exterior, cuja titular é Beatriz Paglieri, braço direito do polêmico secretário de Comércio Interior, Guillermo Moreno.

Heyn era considerado pelos analistas políticos e econômicos como possível ponto de equilíbrio na nova Secretaria, já que era o economista "estrela" do movimento jovem La Campora, que reúne os seguidores de Cristina Kirchner e o marido dela, o ex-presidente Néstor Kirchner, morto no ano passado. O economista era um dos nomes importantes de La Campora, o grupo comandado pelo filho de Cristina, Máximo Kirchner. Além de ter sido nomeado para a subsecretaria de Comércio Exterior, Heyn ocupava outros dois cargos importantes: era representante do governo na diretoria da siderúrgica Aluar e presidente da Corporação Puerto Madero.

A notícia causou enorme comoção entre os presidentes, ministros e funcionários presentes à reunião de Cúpula, da qual a presidente argentina Cristina Kirchner se retirou ao tomar conhecimento da notícia. Fontes diplomáticas disseram à Agência Estado que a presidente passou cerca de meia hora reunida com assessores, em uma sala isolada do Edifício Mercosul, onde funciona a Secretaria Executiva do bloco regional. A presidente argentina ficou abalada, se sentiu mal e teve que ser  atendida pelo médico pessoal.

Iván Heyn teria se suicidado, segundo a primeira hipótese da polícia uruguaia. O corpo foi encontrado no apartamento 1062, do 10º andar do hotel cinco estrelas. Segundo informações de fontes da delegação argentina, Heyn faltou às reuniões previstas para a manhã desta terça-feira e assessores tentaram se comunicar com ele por telefone. Ao não responder as ligações, a recepção do hotel foi acionada para abrir a porta do quarto e funcionários do hotel encontraram o corpo. Segundo relatos, o corpo foi encontrado nu e enforcado com o cinto de um cabide pendurado no guarda-roupa.

Os participantes da reunião de Cúpula do Mercosul ficaram visivelmente abatidos pela notícia, que provocou atraso nas discussões e decisões que estavam previstas para terminar às 17h45 horas, com entrevista coletiva do presidente José "Pepe" Mujica, que deixa a presidência pró tempore do Mercosul, e de Cristina Kirchner, que assume o novo período de seis meses. 

Texto atualizado às 20h33

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Iván HeynCúpula Mercosul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.