Suprema Corte pode bloquear venda da Chrysler para a Fiat

Fundos de pensão contestam o negócio, visto como a única saída para evitar a falência da empresa

Associated Press,

07 de junho de 2009 | 08h05

Três fundos de pensão e construção do Estado de Indiana querem que a Suprema Corte dos Estados Unidos impeça a venda da Chrysler para a Fiat, para que possam procurar um melhor negócio. Os fundos apresentaram a ação judicial neste domingo.

 

Uma corte de apelações de Nova York havia aprovado a venda na sexta-feira, mas deu aos opositores do negócio até a tarde de segunda-feira para trazer a Suprema Corte ao caso. A Chrysler pretende vender o grosso de seus ativos a um grupo encabeçado pela Fiat, como parte de um plano para escapar da falência.

 

O Fundo de Pensão da Polícia de Indiana, o Fundo de Aposentadoria dos Professores e o Fundo de Construção Major Moves dizem que a venda privilegia os acionistas, em detrimento dos credores.

 

O juiz federal Arthur Gonzalez, responsável pela ação de falência contra a Chrysler, também já havia aprovado a venda, que para ele seria a única alternativa à liquidação da companhia. 

 

A corte de apelações havia suspendido a execução da sentença de Gonzalez, para dar aos queixosos uma chance de contestar a decisão, mas acabou rejeitando o recurso. Os acionistas da Chrysler têm pressa: a empresa está parada à espera do negócio com a montadora italiana, se a venda não se confirmar até 15 de junho, a fiat tem a opção de abandonar o negócio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.