DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO

Suzano e Fibria dizem que ainda há questões pendentes para fusão

Gigantes do setor de celulose afirmaram em comunicados ao mercado que há questões negociais pendentes de definição

Fabiana Holtz e Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

09 Março 2018 | 14h07

A Suzano Papel e Celulose e a Fibria afirmaram nesta sexta-feira, 9, em comunicados ao mercado, que há tratativas em curso entre os acionistas controladores das empresas. A Suzano acrescenta, entretanto, que há questões negociais pendentes de definição, que afetam a operação e suas condições, inclusive financeiras e estruturais. "Nesse contexto, a companhia afirma não ser possível confirmar as notícias veiculadas na imprensa", diz o comunicado.

Na mesma linha, a Fibria diz que as partes envolvidas ainda estão analisando as eventuais possibilidades de viabilização de uma transação. "Não há, contudo, definição dos termos e condições para a conclusão de um possível negócio".

A Suzano e a Fibria ressaltam ainda que não há qualquer garantia de que a potencial operação entre as companhias se concretizará.

+ Suzano e Fibria voltam a discutir possível fusão para criar gigante global

Na quinta-feira, 8, o Estadão Broadcast informou que as gigantes do setor de celulose avançaram nas conversas para combinarem suas atividades ao longo das últimas semanas, mas o preço da transação ainda é um empecilho, que torna a operação muito desafiadora. No formato do negócio, a Suzano seria a controladora da nova companhia, fruto da fusão, mas não há acordo sobre o valor que a companhia pagaria aos acionistas da Fibria.

No modelo da transação que está na mesa, haveria troca de ações e pagamento em dinheiro. A Suzano deseja que o grupo Votorantim, que possui 29,42% da Fibria, receba pela sua fatia uma parte de ações, que poderão ser vendidas no futuro. "As tratativas estão quentes, mas ainda distante", disse uma fonte, na condição de anonimato.

+ J&F finaliza venda da Eldorado à Paper Excellence

A fusão entre Suzano e Fibria já foi discutida no passado, mas ganhou força depois da compra da Eldorado pela Paper Excellence, no ano passado, além dos boatos do interesse da PE na Fibria. No momento, as conversas foram aceleradas por conta do receio de que a Fibria receba proposta de aquisição mais atrativa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.