Tablet da Samsung chega ao País em outubro

Equipamento custará R$ 2,7 mil e concorrerá com o iPad, da Apple, que ainda não foi lançado no mercado brasileiro

Renato Cruz, de O Estado de S.Paulo,

17 de setembro de 2010 | 22h30

O Galaxy Tab - tablet da Samsung, concorrente do iPad da Apple - chega ao mercado brasileiro no mês que vem, segundo Silvio Stagni, vice-presidente da Divisão de Telecomunicações da empresa. O aparelho, intermediário entre um laptop e um celular inteligente, custará R$ 2.699, e será vendido por operadoras celulares e varejistas.

"Vai haver uma explosão no mercado de tablets", acredita Stagni. "Além do mercado de consumo, existem várias empresas interessadas em trocar o laptop pelo tablet." Os equipamentos serão produzidos no Brasil.

Com tela de sete polegadas, o Galaxy Tab roda o sistema operacional Android, do Google. "O Galaxy Tab tem televisão e telefonia", aponta Stagni, ao ser perguntado sobre os diferenciais do tablet da Samsung.

Os consumidores poderão fazer chamadas a partir do tablet usando um fone sem fio, com tecnologia Bluetooth. O tablet tem conexão de celular de terceira geração (3G) e Wi-Fi. Ele ainda está em processo de homologação na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Várias empresas estão correndo para ganhar o mercado de tablets. A fabricante de computadores Dell tem um modelo, chamado Streak, que está disponível nos Estados Unidos, mas ainda não tem previsão de ser lançado no Brasil. A LG anunciou internacionalmente planos de lançar um tablet Android ainda este ano e a Motorola em 2011.

O iPad, da Apple, já foi homologado pela Anatel, o que quer dizer que suas vendas já estão liberadas no Brasil. Stagni acredita que, por ainda não ter recebido o sinal verde da agência, o Galaxy Tab deve ser o segundo a chegar ao mercado local.

O tablet da Samsung foi lançado na quinta-feira nos Estados Unidos, durante evento em Nova York. O equipamento havia sido apresentado na IFA, feira de eletrônicos de Berlim, este mês.

Competição. As consultorias Gartner e IDC preveem que a participação de mercado dos smartphones com Android deve ultrapassar a do iPhone até 2014. Assim como está acontecendo com os celulares inteligentes, a briga nos tablets também parece ser da Apple contra diversos fabricantes que adotam o software do Google. O Android é um sistema de código aberto, que pode ser modificado livremente e usado sem o pagamento de royalties.

Brian Dunn, presidente da Best Buy, disse ao Wall Street Journal, numa reportagem publicada esta semana, que o sucesso do iPad reduziu pela metade as vendas de notebooks, e principalmente de netbooks. As vendas de televisores também estão caindo, apesar da chegada dos aparelhos 3D. A Best Buy é a maior varejista de eletrônicos dos Estados Unidos em volume de vendas.

Além dos tablets, a venda de equipamentos mais caros nos EUA está sendo prejudicada pelo crescimento da demanda por leitores eletrônicos, como o Kindle, da Apple, e por câmeras mais sofisticadas. Em agosto, a venda de notebooks caiu 4% nos EUA, de acordo com a NPD.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.