TAM e Gol permanecem nos últimos lugares em ranking de segurança aérea

Lista com 60 maiores companhias aéreas traz as brasileiras no último e antepenúltimo lugar

Alexandre Mello, do Economia & Negócios,

26 de janeiro de 2011 | 18h16

As companhias aéreas brasileiras TAM e Gol permanecem nas últimas posições no ranking anual realizado pela instituição alemã Jet Airliner Crash Data Evaluation Center (Jacdec) e publicado pela revista Aero International neste mês.

A lista traz a classificação das 60 maiores empresas de aviação civil do mundo. Assim como no ano passado, a TAM ocupa a última posição. A Gol, por sua vez, ultrapassou a China Airlines, chegando ao 58º lugar.

Nas primeiras sete posições estão empresas que não registraram nenhum acidente grave nos últimos 30 anos. São elas (do 1º ao 7º lugar): Qantas, Finnair, Air New Zealand, TAP Portugal, Cathay Pacific, All Nippon e Air Berlin.

Critérios

O ranking cria um índice baseado no número de acidentes (considerando mortes e perda de aeronaves) e na quantidade de passageiros transportados por quilômetro rodado durante os últimos 30 anos.

Tal critério, por exemplo, não considerou o incidente registrado em 2010 com o Airbus A380 da australiana Qantas, porque o avião não sofreu perda total. Na ocasião, aeronave teve que fazer um pouso forçado em Cingapura depois da explosão, em pleno voo, de uma de suas turbinas.

A TAM, por sua vez, tem seis acidentes registrados desde que foi criada, em 1980, contabilizando 336 mortes. A última queda de avião da empresa ocorreu em 2007. Já a Gol, que foi fundada em 2001, teve apenas um acidente, em 2006, com 154 mortes.

Em 2010, morreram 829 pessoas em acidentes aéreos contra 766 no ano anterior. No entanto, nenhum desses casos envolveu alguma das 60 maiores companhias aéreas do mundo, o que gera poucas alterações no ranking.

O que dizem as empresas

A TAM afirmou em nota que "segue os mais elevados padrões de segurança do mundo, atendendo rigorosamente os regulamentos das autoridades brasileiras e internacionais", citando a americana FAA (Federal Aviation Administration) e a europeia EASA (European Aviation Safety Agency).

Já a Gol acrescenta que o ranking não tem levado em consideração as causas dos acidentes. Em nota, a companhia informa que "não foi o agente causador, conforme aponta relatório conclusivo do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes (Cenipa), no único acidente do tipo envolvendo aeronave da companhia, em 29 de setembro de 2006".

Na ocasião, o avião Boeing da companhia havia saído de Manaus com destino ao Rio mas perdeu contato depois de bater em um jato executivo Legacy, pertencente à empresa americana ExcelAire.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.