TAM vê melhora na demanda em junho

A TAM está identificando sinais de melhora no tráfego aéreo de passageiros no país, apesar de ainda continuar fraco em relação ao segundo trimestre do ano passado, afirmou nesta quinta-feira o presidente da companhia área, David Barioni.

REUTERS

18 de junho de 2009 | 15h49

Em entrevista coletiva para anunciar uma expansão em seu programa de fidelidade, que agora passa a ocupar uma unidade de negócios própria, Barioni afirmou que "a economia está embalada. Pode-se dizer que a crise já passou".

Apesar disso, o executivo afirmou que ainda é cedo para a empresa alterar sua expectativa de crescimento do mercado doméstico este ano, após a companhia ter reduzido no primeiro trimestre a estimativa anual de alta de 5 a 9 por cento para expansão de 1 a 5 por cento.

"O movimento de consultas (para viagens) está forte, mas estamos esperando a concretização dessas consultas em junho e julho", disse Barioni.

O executivo comentou que a surpresa positiva, até agora, foi o crescimento de 4,7 por cento na demanda do mercado doméstico no primeiro trimestre, no topo da estimativa anual revisada.

Segundo o vice-presidente financeiro da TAM, Líbano Barroso, a taxa de ocupação nos voos domésticos da empresa em junho está entre 60 e 65 por cento e nos voos internacionais entre 65 e 70 por cento, o que está acima do esperado pela empresa para o período.

"Deve fechar o mês assim. Em julho, deve haver uma alta, já que será alta temporada", disse Barroso.

A companhia aérea anunciou a criação da unidade de negócios Multiplus Fidelidade, que atuará junto a empresas parceiras do grupo TAM com oferta de serviços que fomentem fidelidade de clientes das empresas que participam da iniciativa. Pontos conseguidos no programa de fidelidade da TAM poderão ser usados em redes de varejo, por exemplo, e vice-versa.

Segundo Barroso, a intenção é que a nova unidade se firme como uma empresa independente dentro do grupo, inclusive com eventual abertura de capital em bolsa de valores.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Tudo o que sabemos sobre:
AEREASTAM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.