Wilton Junior|Estadão
Wilton Junior|Estadão

Tanure quer fatiar a Oi para atrair novos sócios

Empresário, que se uniu à portuguesa Pharol, maior acionista individual da tele, quer apresentar novo plano de recuperação no início de 2017

Mariana Sallowicz, O Estado de S.Paulo

24 Setembro 2016 | 05h00

RIO - O empresário Nelson Tanure, ligado ao fundo Société Mondiale (acionista da Oi), está trabalhando em um plano de recuperação judicial “completamente diferente” do apresentado pela companhia no início deste mês, disseram fontes com conhecimento do assunto. Uma das ideias na mesa é criar subsidiárias, referentes a operações da companhia, e atrair investidores para elas, sem abrir mão do controle.

O Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, antecipou em agosto que o empresário trabalhava em um plano diferente do elaborado pela administração. A nova proposta ainda está em elaboração e precisará do aval do Conselho de Administração, que referendou a atual. Uma das discussões é sobre quantas subsidiárias podem ser criadas e referentes a quais operações.

“Os membros do colegiado da Oi terão de estar alinhados. Será um processo longo”, disse outra fonte. Além disso, a ideia é primeiramente aprovar o plano e depois fazer as mudanças na estrutura da tele, com a venda das participações.

A expectativa é de que a atualização seja apresentada aos credores no primeiro trimestre do ano que vem, para que eles votem o plano em meados de 2017. Ontem, a Pharol também afirmou ao Broadcast que a previsão é de votar o documento no ano que vem.

“A ideia é fazer uma nova organização societária com a separação de operações”, afirmou uma fonte com conhecimento do assunto. A partir daí, cada uma das operações poderia receber novos sócios, sem a Oi abrir mão do controle delas. No caso das operações móveis, o empresário já manteve conversas com a Bell Canada.

“O plano atual não para em pé”, diz uma fonte envolvida nas negociações. Serão feitos ajustes a partir de conversas com os credores. A intenção é de que a assembleia de credores ocorra com a proposta já pré-aprovada.

Outra fonte afirmou que é comum as companhias em recuperação judicial fazerem mudanças no plano apresentado inicialmente. “A recuperação judicial é um processo dinâmico.”

Tanure ganhou poder na companhia recentemente, após fechar acordo com a maior acionista individual da tele, a Pharol (antiga Portugal Telecom). No acerto, o empresário conseguiu duas vagas no conselho, assim como quatro postos de suplente, sendo que ocupará um deles. As indicações ainda precisam do aval da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Captação. O empresário Nelson Tanure está em Nova York em conversas com investidores, entre eles a PointState Capital (dona de 4,18% da Oi) e o fundo Discovery, apurou o Broadcast. São investidores próximos a Tanure. A viagem teve, entre os objetivos, apresentar a Pharol a eles.

Ao mesmo tempo, Tanure também quer trabalhar numa proposta de recuperação da Oi, para a qual contratará a Falconi Consultores. Serão propostas alterações na gestão da companhia, com corte de custos e outras reestruturações, disse uma fonte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.