Tarifa de passagens aéreas cai 17,7% no ano, até agosto

 Segundo a Anac, na comparação anual do mês de agosto, houve queda de 7,7%

Agência Estado,

25 de novembro de 2011 | 14h13

As tarifas aéreas das passagens domésticas recuaram 17,7% de janeiro a agosto deste ano em relação ao mesmo período de 2010, segundo dados divulgados há pouco pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Já na comparação anual do mês de agosto, houve queda de 7,7%. Em agosto de 2011, o valor médio da tarifa aérea doméstica ficou em R$ 244,74, ante R$ 265,24 em agosto do ano passado.

Na comparação com agosto de 2002, ano em que se inicia a série de dados de tarifas aéreas domésticas, observa-se que o passageiro pagou menos da metade do que pagava há nove anos para voar em território nacional. Os dados fazem parte do Relatório de Tarifas Aéreas da Anac.

O Yield Tarifa Aérea Doméstico - valor médio que o passageiro paga para voar 1 km em território nacional - teve uma redução de 8,4% em relação ao apurado para o mês de agosto de 2010. Nos últimos 14 meses, o mês de agosto de 2011 apresentou o mais baixo Yield Tarifa Aérea Doméstico na comparação com o mesmo mês de anos anteriores desde 2002.

Os valores apresentados são calculados com base nos dados das tarifas comercializadas pelas empresas aéreas, mensalmente registradas na ANAC, e são atualizados pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), índice oficial utilizado pelo governo brasileiro para medir a inflação, até o mês mais recente apresentado no Relatório de Tarifas Aéreas.

São considerados os dados dos bilhetes de passagem do transporte aéreo doméstico regular de passageiros comercializados junto ao público em geral, independentemente de escalas ou conexões, e desconsiderados os bilhetes oferecidos gratuitamente, decorrentes de programas de fidelização (milhas) e os vinculados a pacotes turísticos, a tarifas corporativas, a tarifas diferenciadas oferecidas a empregados e a tarifas diferenciadas de crianças. 

Tudo o que sabemos sobre:
Anac

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.