Tata Steel quer repassar aumento de minério e carvão clientes

A indiana Tata Steel, sexta maiorsiderúrgica do mundo, espera poder repassar todo o aumento decusto do minério de ferro e do carvão para seus clientes,afirmou um executivo na sexta-feira. As declarações de B Muthuraman, diretor-executivo da TataSteel, colocaram a empresa em linha com outras siderúrgicasindianas, que já elevaram ou planejam elevar os preços apesardos esforços do governo indiano para controlá-los frente àinflação. "Hoje estamos vendo uma situação de um crescimento bastanteforte da demanda, e acredito que a maior parte do aumento noscustos de insumos vão na verdade ser transferidos e traduzidosem aumentos do preço do aço", disse Muthuraman a repórteres. "No final das contas, acredito que as forças do mercado vãoprevalecer, e há muito pouco que se possa fazer para deter oque irá acontecer em relação às forças de mercado", disse ele."Os preços indianos, acredito, também vão subir (com) os preçosinternacionais". A Vale, maior mineradora do mundo e balizadora do mercado,aumentou o preço do minério de ferro para seus clientes,inclusive a Tata, entre 65 e 71 por cento para os contratos2008, e o preço da pelota em 86,67 por cento. O carvão vemtendo aumentos individuais em torno dos 200 por cento. Questionado sobre quanto do aumento do custo dematérias-primas a empresa poderá repassar, Muthuraman disse:"Espero que 100 por cento". Siderúrgicas em países como Coréia do Sul e China jácomeçaram a elevar seus preços em resposta aos aumentossignificativos no preço do minério de ferro. Muthuraman disse que a Tata não tem intenção de comprarrecursos de mineração na China, mas que está avaliandooportunidades em países como Brasil, Moçambique, Congo,Senegal, Costa do Marfim e Angola, que têm grandes depósitos,mas não uma grande demanda pelos recursos no futuro imediato. Ele afirmou que a Tata pode ainda se unir a empresaschinesas para realizar tais aquisições de ativos no exterior,mas explicou que a empresa não está em negociações com empresasespecíficas sobre esses planos. (Por Jason Subler)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.