Taxa de desemprego alemã cai à mínima recorde de 7% em maio

Na zona do euro, desemprego segue em 9,9%, a menor taxa desde setembro de 2009

Cynthia Decloedt e Danielle Chaves, Agência Estado

31 de maio de 2011 | 09h53

A taxa de desemprego ajustada da Alemanha recuou para uma mínima recorde em maio e o número total de desempregados caiu abaixo da marca sensível de 3 milhões, segundo o escritório de trabalho federal. A taxa de desemprego ajustada diminuiu para 7,0%, de 7,1% em abril, a menor desde que os registros começaram a ser feitos, em 1999.

Em termos não ajustados, o número de desempregados caiu 118 mil para 2,960 milhões, o volume mais baixo para um mês de maio desde 1992. O desemprego na Alemanha está diminuindo em meio ao rápido crescimento do país, que teve expansão de 1,5% no primeiro trimestre deste ano.

Ainda assim, em termos ajustados sazonalmente, a queda no número de desempregados ficou abaixo das estimativas. O dado caiu 8 mil, depois do declínio revisado de abril de 33 mil. Economistas ouvidos pela Dow Jones esperavam que houvesse queda de 30 mil em maio.

Zona do euro

A taxa de desemprego na zona do euro - que reúne os 17 países que utilizam o euro como moeda - seguiu em 9,9% em abril, o mesmo porcentual registrado em março e fevereiro, informou nesta terça-feira, 31, a agência de estatísticas da União Europeia, a Eurostat. Esta é a menor taxa desde setembro de 2009. Em abril do ano passado, o desemprego havia atingido 10,2%.

O resultado ficou em linha com a expectativa dos economistas. As economias da Alemanha, da França e da Itália, as maiores do bloco, apresentaram queda no desemprego, enquanto países em dificuldades, como Irlanda, Espanha e Portugal, registraram taxas maiores.

Os dados da Eurostat mostram que a maior taxa de desemprego foi registrada em abril na Espanha (20,7%). Em seguida aparece a Irlanda, com desemprego de 14,7%. A taxa em Portugal foi de 12,6%. Na Alemanha, o desemprego caiu de 6,2% em março para 6,1% em abril. Já a taxa de desemprego na França cedeu de 9,5% em março para 9,4% em abril. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
desempregotaxazona do euro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.