Taxa de desemprego em 7 regiões fica em 10,9% em maio

Segundo Dieese e Seade, o rendimento médio real dos ocupados caiu 1,2% em abril ante março

Gustavo Uribe, da Agência Estado,

29 de junho de 2011 | 10h18

A taxa de desemprego nas sete regiões metropolitanas que fazem parte da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), calculada pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), permaneceu praticamente estável em maio, ao variar de 11,1% em abril para 10,9%. Em maio de 2010, essa taxa era de 13,2%.

O número de postos de trabalho criados em maio (192 mil) superou o número daqueles que entraram na força de trabalho (151 mil), o que reduziu o contingente de desempregados em 41 mil pessoas. A pesquisa foi realizada nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Salvador, São Paulo e Distrito Federal.

O rendimento médio real dos ocupados caiu 1,2% em abril ante março, passando para R$ 1.367. No mesmo período, a massa de rendimentos dos ocupados registrou diminuição de 0,6%. Na comparação com abril de 2010, o rendimento médio real aumentou 2,9% e a massa de rendimentos teve alta de 5,3%. 

Tudo o que sabemos sobre:
desemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.