Taxistas fazem greve na Grécia contra reformas do governo

Aproximadamente 30 mil profissionais estão parados; no dia anterior, milhares de servidores públicos fizeram uma paralisação de um dia

Gabriel Bueno, da Agência Estado,

11 de fevereiro de 2010 | 12h07

Aproximadamente 30 mil taxistas gregos realizam nesta quinta-feira, 11, uma paralisação de 24 horas, em protesto contra as reformas fiscais anunciadas pelo governo local, que enfrenta um alto endividamento. No dia anterior, milhares de servidores públicos fizeram uma paralisação de um dia, contra as medidas de austeridade anunciadas pelo governo.

 

O sindicato dos taxistas SATA afirmou, em comunicado, que as medidas de reforma fiscal anunciadas pelo ministro das Finanças, Georges Papaconstantinou, "criam uma série de novos problemas para nós e tornam nosso trabalho mais difícil, se não impossível".

 

Papaconstantinou anunciou as medidas na terça-feira, quando pediu o fim da sonegação e exigiu o uso de registros do dinheiro que circula por toda a economia, inclusive nas mãos dos taxistas.

 

Em 2005, foi implantado na Grécia o sistema de cobrança através de taxímetros. Os taxistas, porém, só dão recibos, que deveriam ser obrigatórios, caso os clientes peçam.

 

O SATA e a federação nacional de táxis do país, além de empresas de carros alugados, advertiram sobre o risco de uma nova paralisação na semana que vem.

 

A principal central sindical da Grécia anunciou uma greve geral para o próximo dia 24, em resposta aos cortes ordenados pelo governo para reduzir o déficit, hoje em 12,7% do Produto Interno Bruto (PIB). As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Grécia, táxis, greve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.