Tecnologia da Adyen integra pagamentos online e offline e impulsiona transformação digital no varejo
Conteúdo Patrocinado

Tecnologia da Adyen integra pagamentos online e offline e impulsiona transformação digital no varejo

Há dez anos no Brasil, empresa é parceira de marcas como Amaro, Lindt e McDonald’s para entregar experiência omnichannel aos clientes cada vez mais exigentes

Adyen, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

19 de julho de 2022 | 08h00

Experimentar um produto em uma loja e comprá-lo pelo e-commerce, comparar preços online antes de realizar a compra presencialmente ou retirar em uma loja o que se adquiriu virtualmente. Esses são exemplos da jornada de compra do mundo phygital, em que não existe uma clara separação entre comércio digital e físico. Esse movimento foi acelerado durante a pandemia, e pesquisas mostram que não há retorno.

Segundo o Relatório de Varejo da Adyen, empresa global de tecnologia de pagamento, 61% dos consumidores brasileiros acreditam que varejistas devem continuar oferecendo a flexibilidade de experiências que passaram a disponibilizar na pandemia. Além disso, 85% dizem que querem ter opções de compra multicanal. E a tecnologia trouxe vantagens para os comerciantes também: o levantamento aponta que 80% das empresas conseguiram compensar as perdas do varejo físico com operações online.

Contar com serviços digitais se tornou obrigatório para as companhias que queiram fidelizar seus clientes, e a Adyen ajuda o varejo nesse processo com a tecnologia de pagamentos de Comércio Unificado.

Como o nome indica, a solução permite a integração de todas as transações em um só lugar, derrubando barreiras entre canais online, como aplicativos e e-commerce, e presenciais. Com uma gestão integrada em tempo real dos dados, empresas ganham facilidades operacionais, já que perdem menos tempo fazendo a reconciliação das transações, além de uma visão completa sobre o cliente e de suas preferências de compra no físico e no digital.

“Da nossa perspectiva, pouco importa onde nasce uma transação. Tudo chega a uma única plataforma para a Adyen, porque trabalhamos em todos os canais”, explica Davi Strazza, presidente da Adyen para a América Latina.

 

A Adyen é parceira de algumas das principais empresas do Brasil para ajudá-las a entregar a melhor experiência de compra a seus clientes. Exemplo disso foi o caso da marca de chocolates Lindt, que ainda não tinha e-commerce quando a pandemia chegou em 2020. Para garantir que a empresa não perdesse as vendas da Páscoa, houve um esforço coletivo permitindo que a Lindt lançasse suas operações online em apenas 15 dias, usando as lojas (que no momento estavam fechadas) como centros de distribuição.

Mais recentemente, a Adyen passou também a processar os pagamentos do app do McDonald’s e também do Méqui sem filas, quando o cliente compra os itens online e retira na loja diretamente no balcão, sem precisar esperar. Já a Amaro foi a primeira a adotar a tecnologia no Brasil, usando-a em seus guide shops para que os clientes comprassem ali e recebessem os produtos em casa.

“O novo consumidor exige conveniência e flexibilidade. O processo de pagamento precisa ser simples, independente do canal. Nossa solução ajuda os varejistas a acompanhar a evolução nos hábitos de consumo e atender as expectativas dos clientes mais exigentes”, diz o executivo da empresa global de tecnologia de pagamentos.

Em outras palavras, a tecnologia permite ao varejo identificar o cliente imediatamente após a primeira compra, seja na loja ou no e-commerce. Isso evita o preenchimento desnecessário de dados no e-commerce e aprimora a experiência de compra na loja.

Com histórico de compras e cadastros unificados, o varejista tem a chance de personalizar as ofertas ao consumidor, que pode ter acesso a programas de fidelidade atrelados ao cartão e descontos exclusivos, diretamente no terminal de pagamento.

“Se o cliente faz uma compra na loja, conseguimos dar a possibilidade ao varejista de cadastrá-lo em um programa de fidelidade baseado em assinatura ainda na loja. Se este mesmo cliente vai para o e-commerce, já poderá contar com a facilidade de pagar com um único clique. A loja deixa de ser um ponto transacional e passar a ser um centro de experiência e encantamento”, conclui o executivo da Adyen.

Tudo o que sabemos sobre:
Adyencomércio eletrônico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.