Telefónica afirma que será seletiva em aquisições e fusões

Companhia espanhola comenta planos de expansão na Itália e China, mas não fala sobre a oferta à GVT

Marcílio Souza, da Agência Estado,

09 de outubro de 2009 | 13h16

A companhia espanhola Telefónica afirmou nesta sexta-feira, 9, em seu evento bienal Dia do Investidor, que será seletiva com relação a fusões e aquisições, limitando essas atividades à consolidação em mercados onde já opera e a leilões de espectro.

 

Veja também:

linkOferta pode prejudicar recompra de ações da Telefónica 

linkTelefônica entrará na Anatel com pedido para compra da GVT

 

A companhia não fez referência direta à oferta de R$ 48,00 por ação à operadora brasileira GVT, anunciada nesta semana. O grupo reiterou que quer elevar sua fatia na China Unicom para 10%, dos 8,4% atuais, o que aumentaria sua presença no maior mercado de telefonia do mundo.

 

O grupo acrescentou que continua negociando com a Telecom Italia um preço para a unidade da empresa italiana na Alemanha, a Hansenet. "Estamos interessados (em comprar a Hansenet), mas não há acordo sobre preço", disse o diretor da Telefónica para a Europa, Matthew Key.

 

A Hansenet tinha 2,34 milhões de clientes de banda larga ao final de 2008 na Alemanha e vale cerca de 1,1 bilhão de euros (US$ 1,62 bilhão), de acordo com estimativas de analistas. A Telecom Italia está vendendo a unidade como parte de um plano para desfazer-se de ativos considerados secundários, e disse que recebeu expressões de interesse de diversas companhias de telecomunicações europeias.

 

A Telefónica disse também que está contente com sua fatia na Telco, a companhia holding que controla a Telecom Italia. Segundo Alierta, as duas operadoras beneficiam-se de sinergias. No próximo dia 28, a Telefónica e outros acionistas da Telco deverão renovar o encerrar o acordo de formação da holding.

 

Lucro e receita

 

A companhia espanhola afirmou que prevê uma taxa de crescimento anual composta da receita (CAGR, na sigla em inglês) até 2012 entre 1% e 4%. Há dois anos, o grupo havia previsto CAGR entre 5% e 8% para o período de 2006 a 2010. A empresa espanhola também reduziu sua meta de lucro por ação para 2,10 euros para 2010, abaixo do guidance anterior de 2,304 euros.

 

A Telefónica também prometeu pagar um dividendo de 1,40 euro por ação em 2010, 21,7% maior do que o valor que havia prometido há dois anos pagar em 2010, e disse que seu dividendo em 2012 será de pelo menos 1,75 euro por ação.

 

A empresa está promovendo hoje seu Dia do Investidor, um evento bienal. "Há dois anos, quando nos reunimos, ninguém esperava a crise econômica mais profunda em décadas", disse o presidente do grupo, Cesar Alierta. Apesar dessa reviravolta, Alierta disse que o setor de telecomunicações está resistente e que deverá se recuperar na Espanha até 2011. "A Telefónica terá um desempenho ainda melhor quando os mercados se recuperarem", disse ele. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
TelefónicaGVTlucroreceita

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.