Telefônica lança aplicativo de jornais e revistas

O grupo Telefônica Brasil, dono da Vivo, anunciou nesta terça-feira, 18, o lançamento de um serviço que oferece acesso a cerca de 200 revistas, 40 jornais online e duas agências internacionais de notícias, que podem ser lido em computadores, tablets ou smartphones a partir de uma assinatura de R$ 3,49 por semana. Batizado de "Nuvem do Jornaleiro", o serviço é exclusivo para clientes Vivo. O acesso por computadores poderá ser feito com qualquer sistema operacional, enquanto nos dispositivos móveis, o acesso poderá ocorrer através de Android e iOS. A interface de leitura é o formato de arquivos PDF.

CIRCE BONATELLI, Agencia Estado

18 de fevereiro de 2014 | 13h32

As publicações vão desde títulos conhecidos nacionalmente até veículos de temas específicos. O conteúdo estará disponível de forma integral, assim como na publicação tradicional em papel. Haverá, no entanto, um delay (retardo) na publicação na Nuvem do Jornaleiro em relação à publicação para assinantes em papel e circulação nas bancas. No caso de uma revista como a Isto É, por exemplo, ela vai sábado para assinantes, domingo para as bancas, e estará até terça ou quarta-feira na Nuvem do Jornaleiro. Já no caso de um jornal, ele estará disponível ainda pelas manhãs do mesmo dia.

A receita proveniente da assinatura será partilhada entre a Telefônica e as empresas jornalísticas, mas os porcentuais não foram revelados. No caso das empresas jornalísticas, o faturamento será composto por um montante fixo, pelo fato de as publicações fazerem parte do acervo, e a outra variável em função do volume de visualizações pelos usuários do serviço.

A Nuvem do Jornaleiro foi lançada em parceria com o Instituto Verificador de Circulação (IVC), que será responsável por auditar o volume de visualizações das revistas e jornais, inclusive do conteúdo publicitário. A expectativa é permitir que os grupos de comunicação tenham condições de aumentar a exposição de seus conteúdos, incrementando as receitas de publicidade.

O lançamento está em linha com a estratégia adotada pela Telefônica e por outras operadoras de telecomunicações para expandir suas bases de serviços na área de tráfego de dados, principal vetor de crescimento das receitas para as empresas do setor. Nos primeiros nove meses de 2013, a receita da Telefônica com os Serviços de Valor Agregado (VAS, na sigla em inglês - designação que inclui tráfego de dados como fotos, vídeos, músicas, jogos, aplicativos, entre outros) cresceu 27,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, passando para R$ 824,0 milhões, de R$ 645,9 milhões.

"Essa é uma estratégia que nós vamos continuar perseguindo e incentivando", frisou Valente, durante a entrevista coletiva à imprensa. Segundo o executivo, a companhia buscará ampliação dos serviços voltados para o usuário comum, além de desenvolver soluções para empresas.

Tudo o que sabemos sobre:
Telefônicaaplicativonotícias

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.