Telefônica Vivo e Mapfre são multadas em R$ 11 milhões por cobrança de seguro

Seguro Conta Protegida e Seguro Residencial foram incluídos nas fatura de telefone sem autorização dos clientes

Marcelle Gutierrez, Agência Estado - Texto atualizado às 14h10

28 de agosto de 2014 | 09h58

O Procon-SP multou a Telefônica Brasil, dona da Vivo, e a seguradora Mapfre em R$ 7.553.080,72 e R$ 3.541.573,33, respectivamente. Os valores somam mais de R$ 11 milhões.

A penalidade ocorre em função da cobrança, sem autorização prévia do consumidor, de dois tipos de seguros na fatura de telefone, o Seguro Conta Protegida e o Seguro Residencial.

De acordo com o Procon-SP, as empresas já haviam sido notificadas em junho para prestarem esclarecimento sobre as denúncias de consumidores registradas nas páginas do Procon-SP no Facebook e Twitter.

A Telefônica Vivo informou que recebeu a autuação e que recorrerá diretamente ao órgão pertinente. A Mapfre também irá recorrer administrativamente da decisão, pois "opera em estrito cumprimento da legislação e normas aplicáveis ao setor de seguros e as relativas aos direitos do consumidor, com total respeito aos seus clientes".

O Procon-SP destaca que a conduta das companhias configura prática abusiva. No caso da Mapfre, a infração ocorre ao "enviar ou entregar ao consumidor, sem solicitação prévia, qualquer produto, ou fornecer qualquer serviço". Com a Telefônica, a cobrança foi efetuada na própria fatura de serviço, o que obriga o consumidor a efetuar o pagamento.

Resposta. As empresas irão recorrer da decisão. A Telefônica (Vivo) diz que recebeu a autuação e que recorrerá diretamente ao órgão pertinente. Já a Mapfre Seguros Gerais esclareceu que também irá recorrer administrativamente da decisão, "pois opera em estrito cumprimento da legislação e normas aplicáveis ao setor de seguros e as relativas aos direitos do consumidor, com total respeito aos seus clientes", destacou a empresa, em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.