Teles passam bancos em número de reclamações do Procon-SP

Grupo Pão de Açúcar é o único a figurar entre os dez primeiros do ranking que não pertence aos segmentos de telecomunicações e financeiro

Renan Carreira, Agência Estado

25 de julho de 2013 | 12h01

SÃO PAULO - O setor de telecomunicações, que engloba telefonia fixa e móvel, acesso à internet e TV por assinatura, concentrou o maior número de reclamações (39.520) no primeiro semestre de 2013, divulgou nesta quinta-feira (25) a Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor de São Paulo (Procon-SP).

Em segundo lugar no ranking ficaram as instituições financeiras, com 34.971 reclamações. No primeiro semestre de 2012, as posições estavam invertidas: o setor financeiro liderou com 34.999 reclamações e as teles ficaram em segundo, com 30.591.

Aparelho celular (10.260), microcomputador e produtos de informática (7.330), móveis (6.678), plano de saúde (6.550), produtos da linha branca (5.972), cursos livres (5.754), aparelho de televisão (5.007) e instituições de ensino (4.441) completam a lista dos dez principais grupos de produtos e serviços que receberam reclamações.

Segundo o Procon-SP, dentre as reclamações do setor de telecomunicações, o Grupo Vivo foi o mais demandado, com 5.756 atendimentos. Entre as empresas do grupo, "a operadora de telefonia fixa foi a que concentrou o maior número de reclamações, inclusive sobre questões básicas como atrasos para instalação de linhas e inoperância do serviço, todos com reflexo direto na qualidade da prestação de serviço, indicando problemas estruturais da empresa", de acordo com relatório do órgão. 

Nas primeiras colocações do ranking geral de atendimento entre as teles também estão Claro (3º lugar, com 3.703), TIM (6º, com 2.346), Net (7º, com 2.222), Oi (8º, com 2.010) e Sky (10º, com 1.455).

O Grupo Pão de Açúcar é o único a figurar entre os dez primeiros do ranking que não pertence aos segmentos de telecomunicações e financeiro. No primeiro semestre, o grupo recebeu 2.369 reclamações e ficou em quinto lugar na lista do Procon-SP.

No caso das instituições financeiras, que englobam bancos comerciais, empresas de cartões de crédito e financeiras, o Grupo Itaú Unibanco figurou na segunda colocação no ranking de atendimentos, com 3.981. Também apareceram o Grupo Bradesco (4ª posição, com 3.041) e Grupo Santander (9ª, com 1.572). De acordo com o Procon-SP, "como no ano passado, ainda persistem os problemas com cobrança de valores não reconhecidos em faturas de cartões de crédito e conta corrente, além de muitas reclamações sobre a cobrança de tarifas, especialmente às relacionadas a financiamento de veículos".

Ranking geral de atendimentos do Procon-SP

1º semestre de 2013

1º Grupo Vivo: 5.756

2º Grupo Itaú Unibanco: 3.981

3º Grupo Claro: 3.703

4º Grupo Bradesco: 3.041

5º Grupo Pão de Açúcar: 2.369

6º Tim Celular: 2.346

7º Grupo Net: 2.222

8º Grupo Oi: 2.010

9º Grupo Santander Real: 1.572

10º Sky: 1.455

Comércio eletrônico

O Procon-SP chama a atenção para as reclamações no setor de comércio eletrônico no primeiro semestre de 2013. Segundo o órgão, além de concentrar diversos problemas, como a falta de entrega dos produtos ofertados, o setor registra número crescente de reclamações contra as chamadas "facilitadoras de pagamento" - como a Pagseguro, do Grupo UOL, e a Akatus, citadas no relatório.

Para o órgão, essas empresas têm estrutura inadequada para atender os consumidores. A entidade cita como exemplo a Akatus, "que figura em primeiro lugar no ranking do Índice de Solução no Primeiro Atendimento como a empresa que menos atendeu os consumidores que procuraram a Fundação Procon-SP no período".

Solução

Em relação aos índices de solução logo no primeiro atendimento no Procon-SP, o cenário é similar ao do ano passado: a maior parte das 30 empresas listadas no ranking tem desempenho superior a 80%, algumas com índices de solução superiores a 90%, como Sabesp, Grupo Vivo, e Grupo B2W. Os piores índices ficaram com as empresas Akatus e Grupo UOL (comércio eletrônico), Motorola (aparelho celular) e Mabe (fabricante de linha branca).

Tudo o que sabemos sobre:
defesa do consumidorprocon

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.