Tembici
Tembici

Operadora de bicicletas compartilhadas fará leilão de créditos de carbono no Rio

A emissão dos créditos da Tembici considerará gases de efeito estufa que deixaram de ser lançados na atmosfera com a operação do sistema carioca de bicicletas, em 2019 e 2020

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2022 | 12h05

A Tembici, startup que opera os sistemas de locação de bicicletas em grandes centros, incluindo as que levam a marca do banco Itaú em São Paulo e no Rio, fará, no fim de abril, o primeiro leilão de créditos de carbono da plataforma AirCarbon Exchange no Brasil. Serão oferecidos 1,5 mil créditos de carbono (equivalente a deixar de lançar 1,5 mil toneladas de gases do efeito estufa na atmosfera), em dois lotes.

A emissão dos créditos considerará gases de efeito estufa que deixaram de ser lançados na atmosfera com a operação do sistema carioca de bicicletas, em 2019 e 2020, informou a Tembici, que anunciou o leilão de créditos de carbono em evento nesta quarta-feira, 30, com apoio da Prefeitura do Rio. No próximo dia 13, um seminário transmitido pela internet apresentará detalhes a investidores em potencial. O leilão será aberto em 26 de abril e encerrado no dia 28. No dia 29, serão anunciadas as propostas vencedoras. O valor dos créditos gerados pela Tembici será definido no leilão.

Desde 2018, as operações de aluguel de bicicletas (convencionais e elétricas) da Tembici deixaram de lançar na atmosfera 11 mil toneladas de gases do efeito estufa, segundo dados da própria companhia. Seu serviço opera em 12 cidades na América Latina e tem cerca de 3 milhões de usuários na soma de cada sistema local.

O secretário municipal de desenvolvimento econômico, inovação e simplificação do Rio, Chicão Bulhões, ressaltou que a prefeitura carioca quer incentivar a negociação de “ativos financeiros verdes” na cidade. “Não só vamos abraçar esse tema, como a nossa linha de desenvolvimento será o desenvolvimento sustentável”, afirmou, durante o evento de anúncio do leilão de créditos da Tembici.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.