Temores ligados à crise da Europa poderão limitar recuperação mundial, diz BC dos EUA

Para o Fed, nervosismo com a situação fiscal europeia também terá impactos negativos sobre os mercados financeiros dos EUA 

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

19 de maio de 2010 | 15h53

As autoridades do Federal Reserve acreditam que os temores ligados à situação fiscal e às dívidas soberanas de alguns países da periferia da zona do euro poderão limitar a recuperação da economia mundial e ter impactos negativos sobre os mercados financeiros dos EUA, de acordo com a ata da reunião realizada nos dias 27 e 28 de abril.

"As condições econômicas externas, especialmente em diversas economias emergentes asiáticas, continuou a se fortalecer nos últimos meses, contribuindo para ganhos nas exportações dos EUA", afirmou a ata, destacando, no entanto, que as autoridades "consideraram o aumento dos apertos fiscais na Grécia e a disseminação dos receios com outros países periféricos europeus como um peso sobre as condições financeiras e a confiança na zona do euro".

Segundo a ata, "se outros países europeus responderem com a intensificação dos esforços de consolidação fiscal, o resultado provavelmente será um crescimento menor na Europa e uma recuperação econômica mundial potencialmente mais fraca."

O documento disse ainda que "alguns participantes expressaram receios com os efeitos adversos que uma crise na Grécia poderia provocar sobre os mercados financeiros norte-americanos, o que poderia diminuir a recuperação" nos EUA.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.