Tendência é de aumento da arrecadação na previdência nos próximos meses

Aumento da arrecadação estaria sendo influenciado pelo crescimento dos empregos formais

Renata Veríssimo, da Agência Estado,

25 de março de 2010 | 11h31

O secretário de Previdência Social, Helmut Schwarzer, disse nesta quinta-feira que a tendência é de crescimento da arrecadação previdenciária nos próximos meses. Segundo ele, o resultado de fevereiro, de R$ 15,207 bilhões, é o segundo maior da série histórica com exceção dos meses de dezembro, quando a arrecadação recebe um reforço do recolhimento do 13º salário. O maior valor arrecadado era de novembro do ano passado, de R$ 17,120 bilhões.

 

Segundo ele, este aumento da arrecadação está sendo influenciado pelo crescimento dos empregos formais. Em relação a janeiro, quando a arrecadação foi de R$ 14,174 bilhões, desse crescimento de mais de R$ 1 bilhão nas receitas em fevereiro, cerca de R$ 500 milhões devem-se à formalização de empregos na área urbana. O melhor resultado em fevereiro também é influenciado por uma transferência menor, em torno de R$ 500 milhões, para o chamado Sistema S e Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

 

"Vamos entrar nos próximos meses num novo patamar de arrecadação", disse o secretário. Segundo ele, a estimativa do ministério é que a arrecadação da Previdência fique entre R$ 15,8 bilhões e R$ 16 bilhões por mês. Ele destacou também que a arrecadação em fevereiro ante janeiro cresceu mais do que as despesas. A alta foi de 7,3% ante um aumento das despesas de 6%.

 

Do lado das despesas, Schwarzer explicou que, na comparação com o ano passado, o crescimento é explicado pelo reajuste do salário mínimo e dos benefícios previdenciários, que, segundo ele, altera todo início de ano o patamar das despesas com benefícios. O impacto em fevereiro do reajuste do mínimo foi de R$ 615 milhões e, no primeiro bimestre, totalizou R$ 960 milhões. O impacto do reajuste dos demais benefícios da Previdência, acima de um salário mínimo, no primeiro bimestre, também foi em torno de R$ 900 milhões.

 

As despesas com benefícios somaram R$ 18,988 bilhões em fevereiro ante R$ 16,507 bilhões em fevereiro de 2009. A previsão, segundo Schwarzer, é que as despesas se estabilizem num patamar de R$ 19,4 bilhões por mês nos próximos meses.

 

No entanto, o secretário destacou que este ano ainda não houve impacto nas despesas com o pagamento de precatórios. No ano passado, as despesas com decisões judiciais se acumularam no mês de janeiro, somando R$ 3,2 bilhões. Neste ano, no primeiro bimestre, o passivo judicial foi de apenas R$ 364,9 milhões. Schwarzer disse que o pagamento desses precatórios ocorrerá nos próximos meses. O Tesouro Nacional já negociou com o judiciário para que os pagamentos dos precatórios fossem feitos apenas a partir de março, quando o governo espera ter um comportamento melhor da arrecadação federal. Segundo o secretário da previdência, a previsão de pagamento de precatórios este ano é de R$ 7,1 bilhões. A recuperação de crédito pela Previdência, no mês de fevereiro, foi de R$ 649,9 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
previdênciaarrecadação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.