Terceirizados em greve param parcialmente a Renault

A produção de veículos na montadora Renault, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, está parcialmente paralisada desde a tarde de ontem, em razão de greve em uma das empresas terceirizadas. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes de Cargas Rodoviárias (Sintracarp), são cerca de 1,5 mil funcionários da CSI Logística que estão paralisados por não aceitarem a oferta de R$ 2 mil de abono. Eles pedem R$ 3 mil. O aumento salarial ficou estabelecido em 8%.

EVANDRO FADEL, Agencia Estado

25 de maio de 2010 | 15h14

Os trabalhadores da CSI Logística são responsáveis pelo transporte das peças dos veículos até a linha de montagem. De acordo com o presidente do Sintracarp, Vicente Venuk Pretko, uma assembleia na manhã de amanhã definirá os rumos do movimento. O centro de produção de veículos utilitários da Renault está totalmente paralisado, enquanto o de veículos de passeio ainda trabalhava com aproximadamente 30% de sua capacidade. Por dia são fabricados 760 veículos (700 automóveis e 60 utilitários). Entre os dias 14 e 19, os metalúrgicos da Renault tinham feito greve para negociar a Participação nos Lucros e Resultados (PLR). Eles receberão R$ 9 mil, com a primeira parcela de R$ 4.750 até o fim do mês

Tudo o que sabemos sobre:
veículosRenaultgreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.