Texto franco-alemão vê papel substancial do FMI na ajuda à Grécia

Socorro envolveria contribuição do FMI e empréstimos bilaterais de nações europeias

Danielle Chaves, da Agência Estado,

25 de março de 2010 | 14h14

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da França, Nicolas Sarkozy, chegaram a um acordo sobre o texto de um possível socorro para a Grécia que envolveria uma contribuição substancial do Fundo Monetário Internacional (FMI) e empréstimos bilaterais de nações europeias, segundo uma autoridade do governo alemão.

 

"Há um texto sobre o qual a Alemanha e a França concordaram", disse a fonte à agência Dow Jones durante a cúpula da União Europeia. O texto foi discutido com o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, que pode apresentá-lo ao grupo de 16 países que usam o euro.

 

O texto afirma que um socorro da Grécia tem de ser o último recurso, depois que o governo grego ter exaurido todas as outras opções para levantamento de fundos. Além disso, o texto diz que deve haver "uma contribuição substancial do FMI" e ajuda bilateral.

 

A fonte afirmou que a ajuda bilateral provavelmente viria de países da zona do euro, mas observou que o primeiro-ministro da Suécia, Fredrik Reinfeldt, sinalizou que seu governo também estaria aberto a fornecer ajuda à Grécia. A Suécia é um dos onze membros da União Europeia que não usam o euro.

 

Qualquer suporte para a Grécia conduzido em conjunto com o FMI seria "pilotado" por países da zona do euro, afirmou o diplomata. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.