ThyssenKrupp faz acordo para cortar 2 mil vagas na Alemanha

Unidade de siderurgia do conglomerado quer enfrentar a forte queda na demanda de seus produtos com a crise

Danielle Chaves, da Agência Estado,

08 de maio de 2009 | 15h10

A ThyssenKrupp afirmou que chegou a um acordo em princípio com representantes dos trabalhadores para até 2 mil cortes de empregos, com o objetivo de enfrentar a forte queda na demanda por seus produtos em razão da recessão global. A ThyssenKrupp Steel, a unidade de siderurgia do conglomerado industrial alemão, informou por meio de um comunicado que pretende fazer entre 1,8 mil e 2 mil cortes até o dia 30 de setembro de 2010.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

A companhia acrescentou que planeja reduzir sua força de trabalho com medidas socialmente aceitáveis e evitar fechamentos de fábricas. O acordo prevê que os cortes de empregos serão feitos por meio de medidas como partidas voluntárias com pagamentos de indenização e aposentadoria antecipada.

 

Segundo a companhia, os cortes vão resultar em economias de cerca de 150 milhões de euros (US$ 202,7 milhões) a partir do início de seu ano fiscal de 2011, que começa em 1º de outubro de 2010. As economias com a redução da força de trabalho são parte de um plano para cortar custos em mais de 400 milhões de euros, afirmou a empresa.

 

Combinadas com as medidas de corte de mais de € 400 milhões em despesas administrativas e com materiais que foram anunciadas em novembro de 2008, os planos de corte de gastos da ThyssenKrupp Steel totalizam mais de 800 milhões de euros.

 

As siderúrgicas estão sofrendo as consequências de uma forte queda na demanda por aço por parte de importantes consumidores dos setores automotivo, de eletrodoméstico e de construção.

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeiraempregoAlemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.