Toda Rede Banco24Horas terá leitor biométrico neste ano

As 14 mil máquinas de autoatendimento (ATMs) da Rede Banco24Horas devem contar com leitores biométricos para identificação de correntistas até o fim do ano, disse o diretor de Canais Digitais do Bradesco, Luca Cavalcanti, ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, após participar de evento nesta terça-feira, 23, na capital paulista.

CYNTHIA DECLOEDT, Agencia Estado

23 de julho de 2013 | 17h33

Segundo ele, os bancos fazem um investimento conjunto, de milhões de reais, para que todos os terminais possuam os leitores, mas não citou o montante do desembolso. O executivo disse que atualmente metade das máquinas da Rede Banco24Horas tem leitores biométricos.

Cavalcanti declarou ainda que na rede Bradesco praticamente todos os 25 milhões de clientes que fazem uso dos canais digitais por meio de ATMs terão acesso a suas contas com leitura biométrica até dezembro. Atualmente a identificação por biometria é feita por 16 milhões dos correntistas e, até o fim do ano, chegará a 20 milhões. Cavalcanti acrescentou que toda a rede de máquinas do Bradesco está 100% adaptada à tecnologia, dando a entender que a identificação pela leitura das veias da mão deixará de ser opcional.

O executivo relatou ainda que o Bradesco deve lançar no dia 1º de agosto um aplicativo exclusivo para tablets, permitindo que os clientes tenham os acessos configurados à linguagem do equipamento. Ele lembra que no Brasil há 5 milhões de tablets vendidos e poucos aplicativos que permitam fazer uso completo das vantagens da tecnologia.

Cavalcanti destacou que 88% das transações do Bradesco, como pagamentos, transferências, consultas, entre outros serviços, são feitos por meio digitais, que incluem ATMs, call centers (telefônicos), internet banking e móveis (celulares).

As transações bancárias por meio de celular respondem por 8% das transações totais dos clientes Bradesco, mas o executivo acredita que a tendência é de expansão desse uso em todo o sistema bancário.

Ele disse que todos os bancos investem na tecnologia, assim como as companhias fabricantes de celulares, as empresas prestadoras de serviços de telefonia e de pagamentos eletrônicos. Como exemplo do potencial de expansão das transações bancárias móveis, Cavalcanti observou que no Bradesco superam as realizadas por call centers, que recebem 1,1 milhão de ligações ao dia.

Um passo maior será a substituição de cartões bancários por celulares para transações bancárias e compras. De acordo com o executivo, o Bradesco anunciou uma parceria com a operadora de telefonia Claro para que o cliente tenha sua conta corrente no celular por meio de um chip, mas que ainda depende de atualizações de tecnologia da operadora. Cavalcanti afirmou ainda que a Cielo desenvolveu tecnologia, à qual está presente em 290 mil máquinas de pagamentos eletrônicos, para que as compras possam ser pagas por aproximação do celular.

Tudo o que sabemos sobre:
Bradesco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.