Todos os republicanos no Senado dos EUA se opõem a plano democrata

Senadores do partido assinaram uma carta dizendo que não votarão a favor do projeto apoiado pela Casa Branca 

Reuters,

30 de julho de 2011 | 14h50

Todos os 43 republicanos no Senado dos Estados Unidos assinaram uma carta, divulgada neste sábado, 30, dizendo que não votarão a favor de um plano democrata para elevar o limite de dívida do país, sinalizando que a medida não terá o apoio necessário para avançar no Congresso.

Os democratas precisam de ao menos sete votos republicanos para vencer uma votação processual na Casa de 100 assentos. A votação está marcada para 2h da tarde de domingo (horário de Brasília).

O Senado dos EUA, de maioria democrata, rejeitou na noite de ontem um plano aprovado horas antes na Câmara dos Representantes para reduzir o déficit orçamentário do país e elevar o teto da dívida federal. Derrubado no Senado por 59 votos a 41, o plano do republicano John Boehner previa elevar em US$ 900 bilhões o limite de endividamento dos EUA, atualmente em US$ 14,3 trilhões.

Por outro lado, adotaria medidas apara cortar o déficit em US$ 2,5 trilhões nos próximos dez anos. O aumento no teto seria suficiente para atender as necessidades de financiamento do governo até fevereiro de 2012, mas um novo acordo seria necessário após essa data.

A Casa Branca e os democratas foram contrários ao plano republicano porque temem que um aumento no limite de endividamento por seis meses possa injetar mais incertezas durante um dos momentos mais importantes economicamente para o país - o Natal.

"Os democratas no Congresso e alguns republicanos do Senado estão ouvindo e se mostrando interessados em buscar um acordo", disse Obama, nesta manhã. "Agora todos nós, inclusive os republicanos da Câmara dos Representantes, precisamos demonstrar o mesmo tipo de responsabilidade que o povo americano mostra todos os dias", completou.

(Por Andy Sullivan com Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUAREPUBLICANOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.