Tolmasquim critica elevadas tarifas de energia no Brasil

'É preciso achar uma outra fonte que substitua a renda vinda do ICMS', disse o presidente da EPE

Kelly Lima, da Agência Estado,

29 de setembro de 2010 | 16h57

O presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Maurício Tolmasquim criticou nesta quarta-feira, 29, as elevadas tarifas de energia no País e afirmou que isso terá que ser revertido no futuro governo.

"É preciso uma ampla discussão no Congresso Nacional para rever nossas tarifas atuais, que são muito elevadas", disse em palestra durante o 7º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico (Enase).

Tolmasquim atribuiu o principal peso das tarifas aos encargos tributários que recaem sobre ela. "O ganho de competitividade que existe no Brasil com a existência de um grande número de hidrelétricas é perdido com o elevado ICMS cobrado sobre a energia", comentou, lembrando que a questão é "difícil de se resolver" porque envolve todos os Estados. "É preciso achar uma outra fonte que substitua a renda vinda do ICMS", afirmou.

O presidente da EPE lembrou que o custo da geração de energia hidrelétrica é decrescente, já que há anos os leilões privilegiam a modicidade tarifária. Porém, destacou, o País abre mão desta vantagem em nome da arrecadação fiscal. "Na Europa por exemplo, uma tarifa industrial quase não tem imposto. Já no Brasil, o imposto é muito grande".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.