Tomate lidera alta dos alimentos em março

Produto que já foi considerado o 'vilão da inflação' em 2013 subiu mais de 28%, segudno o IPCA-15; veja as 10 maiores altas dos alimentos

Yolanda Fordelone, do Economia & Negócios,

21 de março de 2014 | 10h02

SÃO PAULO - "Vilão da inflação" em 2013, o tomate voltou a se destacar entre as altas de março. Segundo a prévia da inflação deste mês, o preço do tomate ficou 28,5% mais caro. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) foi divulgado na manhã desta sexta-feira, 21, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O grupo alimentação e bebidas foi uma das principais contribuições para a alta do IPCA-15 de 0,73%. Os preços que haviam subido 0,52% em fevereiro registraram avanço de 1,11% em março. O grupo teve contribuição de 0,27 ponto porcentual na inflação total.

Segundo o IBGE, na região metropolitana de Porto Alegre, o grupo alimentação e bebidas aumentou 1,85%, seguida das regiões metropolitanas de São Paulo (1,44%) e Curitiba (1,42%). Os resultados mais baixos foram registrados em Recife (0,17%) e Salvador (0,13%).

Além do tomate, muitas verduras e frutas apareceram entre as maiores altas no mês. A alface, por exemplo, subiu mais de 16% no período.

Preocupado com a alta dos alimentos, o governo prepara medidas para aliviar a inflação. Em reunião prevista para terça-feira, a câmara técnica do Conselho Interministerial de Estoques Públicos de Alimentos (Ciep) determinará a venda de estoques de milho para abastecer algumas regiões, sobretudo o Nordeste, e discutirá ações em alimentos básicos, como o feijão, afetado pelo clima nas principais áreas produtoras do País.

Piadas. No ano passado, o preço do tomate avançou tanto que virou "artigo de luxo" no prato do brasileiro. Vários internautas brincaram com a alta do produto compartilhando piadas pela internet. Foi até lançado uma paródia do programa Minha Casa, Minha Vida, adaptado para "Meu tomate, Minha vida".

 

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoIPCA-15IBGEalimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.