Total de cheques sem fundos é o menor para setembro desde 2004

Segundo Serasa, foram devolvidos 1.456.372 cheques de um total de 91.495.660 compensados, o que representa 15,9 cheques a cada mil

Gustavo Uribe, da Agência Estado,

21 de outubro de 2010 | 16h51

O volume de cheques sem fundos emitidos no País registrou em setembro a quarta queda mensal ante o total de compensados e alcançou o menor nível para o mês nos últimos seis anos. De acordo com o indicador da empresa de análise de crédito Serasa Experian, divulgado nesta quinta-feira, 21, foram devolvidos no período 1.456.372 cheques de um total de 91.495.660 compensados, o que representa 15,9 cheques a cada mil compensados, menor nível para setembro desde 2004 (15,2). Na comparação mensal, houve queda de 1,8% ante agosto (16,2 a cada mil), Em relação a setembro de 2009, a baixa foi de 18% (19,4 a cada mil). No acumulado de janeiro a setembro, houve queda de 18,9% na comparação com o mesmo período de 2009.

Os economistas da Serasa Experian atribuem as quedas da taxa de inadimplência com cheque à abertura nos últimos meses de novas linhas de crédito aos consumidores, o que levou a uma menor utilização do cheque pré-datado como meio de financiamento. "Isso reduz o risco de inadimplência deste meio de pagamento, melhorando sua qualidade", ressalta a empresa, que destaca ainda como fator para as baixas o bom momento vivido pela economia. "Isso favorece uma administração mais eficiente do caixa das empresas, contribuindo para diminuir a incidência da devolução", aponta.

O indicador ainda apontou a variação do número de cheques sem fundos por Estados. No acumulado de janeiro a setembro, o Amapá liderou o ranking de inadimplência do cheque, com média de 110,7 devolvidos para cada mil, seguido pelo Acre (91,6). Já a menor média foi registrada em São Paulo (13,6). Entre as regiões, a maior volume foi a da Região Norte (40,5). A Região Sudeste teve a menor média do número de cheques devolvidos (14,7).

Tudo o que sabemos sobre:
Serasachequeinadimplênciaconsumo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.