Total de famílias com dívidas recua para 61,4% em setembro

É o segundo mês seguido de queda, segundo a CNC; o porcentual de famílias sem condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso ficou em 7%

Sabrina Valle, Agência Estado

25 de setembro de 2013 | 10h39

RIO - O número de consumidores endividados recuou em setembro para 61,4%, na comparação com agosto (63,1%), segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). É o segundo mês seguido de queda. Em relação ao mesmo mês de 2012 (58,9%), houve alta.

O porcentual de famílias com dívidas ou contas em atraso ficou em 20,6% e seguiu a mesma tendência, apresentando queda na comparação mensal, mas permanecendo em nível superior ao observado em igual período do ano anterior. Em agosto passado, o indicador ficara em 21,8% e em setembro de 2012, em 19,1%.

Já o porcentual de famílias sem condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso ficou em 7,0%, estável na comparação mensal (agosto também registrou 7,0%) e recuando ligeiramente em relação a setembro de 2012 (7,1%).

A pesquisa considera como dívidas contas a pagar em cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro e seguro.

Segundo a CNC, a queda do número de famílias endividadas na comparação com o mês imediatamente anterior foi observada em ambos os grupos de renda. Na comparação anual, houve aumento em ambos os grupos de renda.

A confederação informou que, para as famílias que ganham até dez salários mínimos, o porcentual de famílias com dívidas foi de 63,3% em setembro de 2013, ante 64,8% em agosto de 2013 e 60,5% em setembro de 2012. Para as famílias com renda acima de dez salários mínimos, o porcentual de famílias endividadas passou de 54,7%, em agosto, para 52,9% em setembro de 2013. Em setembro de 2012 o porcentual de famílias com dívidas nesse grupo de renda era de 51,7%.

O recuo do número de famílias com contas ou dívidas em atraso entre os meses de agosto e setembro ocorreu apenas para a faixa de renda inferior a 10 salários mínimos. Na faixa de menor renda, o porcentual de famílias com contas ou dívidas em atraso passou de 24,7%, em agosto, para 22,9% em setembro de 2013.

A proporção das famílias que se declararam muito endividadas recuou entre os meses de agosto e setembro de 2013, para 12,4% do total de famílias. A CNC destacou que desde fevereiro de 2013 não se observava queda nesse indicador.

O cartão de crédito foi apontado como um dos principais tipos de dívida por 73,2% das famílias endividadas, seguido por carnês, para 18,2%, e, em terceiro, por financiamento de carro, para 12,6%.

Mais conteúdo sobre:
empregoDieeseagostoregiões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.