TOYOTA/DIVULGAÇÃO
TOYOTA/DIVULGAÇÃO

Toyota antecipa início de terceiro turno em fábrica de Sorocaba

Montadora também ampliou de 450 para 550 o número de funcionários que serão contratados para a unidade onde são produzidos os modelos Corolla Cross e Etios

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2021 | 18h18

Quase um mês após anunciar a reabertura do terceiro turno de trabalho na fábrica de Sorocaba (SP) a partir de janeiro, a Toyota informou nesta quarta-feira, 29, que vai antecipar a medida para o fim de novembro. O grupo também ampliou de 450 para 550 o número de funcionários que serão contratados na unidade.

A empresa informa ainda que alterou sua previsão de produzir 122 mil veículos ao ano para 158 mil, um crescimento de 30%. O objetivo é atender a maior oferta de automóveis no Brasil e na América Latina, principalmente impulsionada pelo desempenho de vendas do Corolla Cross, o primeiro SUV da marca produzido no País e vendido em 22 países da região.

Em nota, o grupo japonês afirma que “a antecipação (do terceiro turno) demonstra sua capacidade de contornar o momento difícil que a indústria automobilística global enfrenta, principalmente devido à falta de insumos por conta da pandemia de covid-19”.

“Desde quando reunimos as condições para realizar o terceiro turno, era nossa intenção começar o quanto antes e fico feliz de fazer esse anúncio nesse momento, ajudando o Brasil a ofertar mais empregos”, disse Rafael Chang, presidente da Toyota do Brasil. 

Em agosto, a unidade ficou parada por dez dias por falta de peças, assim como as filiais de São Bernardo do Campo (SP), onde produz peças, e Porto Feliz (SP), que faz motores. Além do Corolla Cross, a planta de Sorocaba produz os modelos Etios (só para exportação) e  já operou em jornada de 24 horas entre novembro de 2018 e junho de 2019.

Falta de componentes afeta produção do Corolla

Já outra unidade da montadora, a de Indaiatuba (SP), onde é produzido o sedã Corolla, vai suspender a produção entre 13 e 22 de outubro por falta de peças. Os itens em falta são componentes para freios importados da Malásia, onde várias fábricas estão fechadas atendendo a um novo lockdown decretado pelo governo local em razão da alta de casos da covid-19. 

Na última segunda-feira, a Volkswagen paralisou toda a produção dos modelos Nivus, Polo, Saveiro e Virtus em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, também por falta de semicondutores. O retorno dos funcionários de dois turnos de trabalho está previsto para 7 de outubro.

A unidade de Taubaté (SP), que também opera em dois turnos, teve um deles suspenso pelo mesmo período. Lá são fabricados Gol e Voyage.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.